Uma ideia não vale nada sem uma boa execução e muita resiliência

abril 15, 2019 in Blog, Empreendedorismo, Freelancer, marketing

Uma ideia é o começo de uma jornada, mas são as ações tomadas a partir dela que determinam o seu sucesso!

A seguir, vou discorrer mais sobre o assunto, pontuando sobre como o contexto e as ações dos empreendedores são fundamentais para que uma boa ideia realmente tenha valor.

Considere as suas limitações e o seu contexto antes de executar uma ideia

Toda ideia, boa ou ruim, precisa ser colocada no papel, planejada e depois posta em ação para provar o seu valor. Você quer um exemplo?

A Uber existe há mais de 10 anos e, quando começou, não era a grande startup que é hoje. Quando fundado, o aplicativo servia apenas para oferecer caronas no caminho do trabalho ou da faculdade para as pessoas que iam na mesma direção.

Depois transformou-se em um aplicativo premium para chamar carros blacks, no qual você poderia ter a experiência do motorista abrir a porta para você, utilizar carros mais chiques, servir água, disponibilizar balas, etc.

Talvez, no começo, os fundadores da Uber imaginassem chegar onde chegaram, mas o que realmente fez a diferença na trajetória foi a visão de sanar uma necessidade pontual, dentro da realidade e das possibilidades oferecidas em seu meio.

Quando você encontra uma ideia e acredita no seu sucesso, não basta apenas colocá-la no papel e executá-la, é necessário também analisar o contexto e planejar os próximos passos.

Tenha convicção daquilo que você pretende fazer, mas também esteja sempre pronto para agir e seguir diferentes caminhos conforme as demandas exigidas e oportunidades oferecidas pelo meio.

Mantenha a sua convicção, mas saiba quando adaptar seus planos

Dizem que, quando temos uma ideia e começamos a colocá-la em ação, sentimos uma grande motivação, principalmente quando as coisas começam dando certo.

Porém, é no momento que surgem as adversidades e a falta de motivação que precisamos de determinação para lembrar do valor de nossa ideia e o porquê de acreditarmos nela desde o princípio.

Quando apostamos em algo, precisamos entender que o conceito certamente passará por mudanças e que é necessário resiliência para aceitar as novas convicções – e, principalmente, contar com a ajuda de outras pessoas para alcançar o sucesso desejado.

O Spotify já tem mais de 10 anos de mercado. Como conseguiu atingir essa marca?

No início, era apenas uma plataforma P2P que permitia o download de músicas de outros usuários online.

Se hoje a startup virou uma das maiores redes de streaming do mundo, é porque seus planos e ações se adaptaram ao longo do tempo, compreendendo os novos anseios dos consumidores e as novas possibilidades que a tecnologia poderia agregar ao funcionamento do negócio.  

E o Airbnb, conhecem a história?

A empresa surgiu da necessidade de três amigos que precisavam pagar o aluguel do apartamento que moravam e não tinham dinheiro. Aproveitaram que na cidade teria uma conferência e os hotéis estavam lotados para disponibilizar espaços dentro do próprio apartamento para locação. Naquela mesma noite desenvolveram a primeira versão do site.

Streaming? Netflix?

Completando seus 20 anos em 2019, a Netflix surge em 1999 com um serviço de assinatura mensal que oferecia locação ilimitada de DVD’s. Conforme o cliente devolvia os discos, a empresa enviava outros.

Quase dez anos depois, em 2007, a Netflix lança seu serviço de streaming. Em 2013 começa sua produção de conteúdo original, chegando em 2016 com 75 milhões de assinantes.

Não fique parado

Além de todos os exemplos mencionados no artigo, ainda é possível citar dezenas de negócios que começaram debaixo e hoje são referência em sua área, como o iFood, Gympass, Crowd, entre muitos outros.

Claro que nem toda boa ideia é capaz de atingir o patamar de inovação dessas grandes empresas, mas sua capacidade de reconhecer o contexto, determinar ações e adaptá-las conforme o meio as tornam excelentes exemplos de como o conhecimento, o embasamento e, principalmente, a determinação são capazes de nos guiar rumo ao sucesso!

Gostou de mais esse artigo? Tem algo a acrescentar em nossa discussão? Então deixe o seu comentário.

Como montar uma máquina de vendas com o Marketing Digital?

abril 2, 2019 in Blog, Empreendedorismo, Freelancer, marketing

Quando abordamos a importância de bons trabalhos de divulgação para a venda de produtos ou serviços, nenhum tema é tão mencionado nos dias de hoje quanto o marketing digital.

Vivemos na era da informação e, cada vez mais, as interações que mantemos na internet se misturam e passam a efetivamente fazer parte de nossa rotina, seja pessoal ou profissional.

Nesse cenário, é natural que as marcas queiram se posicionar nos meios online para agregar mais relevância, mas esse tipo de trabalho exige boas estratégias e muito conhecimento!

A seguir, vou falar mais sobre o tema, abordando a visão que muitos têm do marketing digital e quais, de fato, precisam ser os seus verdadeiros focos.

Quais ideias sobre marketing digital precisam ser desmistificadas?

É normal que, com a popularização das plataformas online, cada vez mais empresas procurem por meios de divulgar as suas marcas na web, mas é preciso estar atento às peculiaridades de cada meio e estratégia de comunicação.

Muitos acreditam, por exemplo, que é possível estabelecer uma boa gestão de redes sociais sem o apoio de uma agência de marketing ou de um social media interno.

Essa percepção vem da suposta facilidade que esse tipo de tecnologia oferece aos usuários, que estão acostumados a fazer uso pessoal de suas ferramentas.

É preciso ter em mente, porém, que existem algoritmos específicos que comandam a relevância dos perfis comerciais e muitas outras questões que não geram os resultados adequados sem o devido conhecimento na área, como impulsionamentos, determinação de horários para postagens, interações, etc.

Além de prezar pelo profissionalismo em suas divulgações, também é importante se ater às práticas que realmente sejam alinhadas com o seu segmento e façam sentido em relação aos objetivos do seu negócio.

Quando um novo termo está em alta, como é o caso do Inbound Marketing, por exemplo, é comum que muitos empreendedores logo queiram migrar as suas estratégias para a técnica “do momento”, mas um bom planejamento precisa avaliar, antes de mais nada, se essa seria realmente uma boa escolha.

Ainda no caso do Inbound, com qual tipo de conteúdo sua empresa se posicionaria na web? Que tipo de solução o seu público buscaria? Qual o perfil provável de leads que seria capturado com o seu discurso? É possível orientá-los ao comportamento desejado de compra?

Aqui, dei apenas o exemplo das redes sociais de do marketing de conteúdo, mas seria possível citar inúmeras outras situações, pois todas exigem uma análise direcionada para que seja estabelecido um planejamento realmente efetivo!

Como determinar os focos de uma boa campanha?

Conforme eu abordei em um de meus artigos anteriores sobre Inbound, para garantir relevância no cenário online, que é extremamente competitivo em termos de atenção, é preciso antes oferecer exatamente o conteúdo que o público deseja consumir.

Um bom site, que geralmente é o primeiro passo para uma estratégia de marketing digital, tradicionalmente é visto como um simples catálogo comercial online, mas a visão sobre as ferramentas disponíveis precisa ir além!

Através do website, é possível alimentar um blog com conteúdo otimizado, por exemplo, para que as informações compartilhadas possam aparecer com mais facilidade no Google.

Ao oferecer as soluções para as dores dos potenciais consumidores, sua marca não será apenas melhor percebida, mas também terá a possibilidade de recolher leads.

Ao mesmo tempo, as redes sociais podem ajudar a retroalimentar o blog e ainda fortalecer a interação com os usuários, através de respostas personalizadas ou ações pontuais de interação.

Quanto mais próximas as pessoas se sentirem de sua empresa, mais efetiva será a sua estratégia.

Um bom exemplo é a criação de vídeos com depoimentos de clientes, que servem para criar empatia com outros consumidores, demonstrar algumas funções ou utilidades do produto em questão e ainda validar a satisfação prometida pela marca.  

É claro que esse exemplo geral que acabei de descrever não se trata de uma regra e que as estratégias podem variar muito de acordo com o perfil de cada negócio, mas ele serve para demonstrar como os objetivos devem estar claros e as mídias devem ser mutuamente retroalimentadas.

Como transformar o público-alvo em consumidores?

Para que as mídias e as estratégias que mencionei brevemente no item anterior realmente façam sentido e induzam o público-alvo para o comportamento de compra, os esforços de marketing digital devem estabelecer uma relação natural e progressiva com cada indivíduo!

Compreender as etapas do funil de vendas e suas respectivas estratégias é fundamental para isso, em que internautas situados no topo do funil, ou seja, menos familiarizados com o seu segmento, tenham acesso a informações úteis e atraentes sobre as suas soluções, para que sejam guiados até temas mais específicos e direcionados às suas fendas, nas fases do meio e do fundo do funil.

Vamos supor, por exemplo, que você queira lançar um software para gestão de empresas!

No topo do funil, você deve produzir textos, posts, vídeos, entre outros conteúdos de fácil acesso para demonstrar a importância desse tipo de ferramenta e como ela pode trazer mais lucro para as empresas.

Já no meio do funil, é hora de partir do pressuposto que o público qualificado já tem conhecimento sobre o assunto que você aborda e passar a aprofundá-lo.

Além de trabalhar com as mídias citadas anteriormente, nessa fase é importante qualificar o público para uma segmentação ainda mais assertiva. Sendo assim, após um blogpost, por exemplo, você pode fornecer um material rico como um ebook. O pressuposto do internauta seria um cadastro, que lhe possibilitará obter informações completas para o seu time de vendas.

No fundo do funil, você já sabe tudo sobre as pessoas para quem deseja vender e pode trabalhar com mídias mais específicas! Oferecer um contato direto com o time de vendas, compartilhar vídeos com depoimentos de clientes satisfeitos ou ainda lançar guias para soluções de problemas são excelentes exemplos para essa fase.

Ao procurar por uma agência de marketing, certifique-se de que o perfil do seu público será devidamente avaliado e traçado, que o comportamento esperado para esse público seja claro e que as ações estipuladas para essa finalidade estejam bem embasadas de acordo com as suas características e os seus objetivos!

E você, já divulga a sua marca online? Ficou com alguma dúvida sobre o tema ou tem alguma experiência que deseja compartilhar conosco? Então deixe o seu comentário.

Veja como o uso frequente de serviços como Uber, Netflix, Spotify, WhatsApp vem tornando todos mais ansiosos!

março 29, 2019 in Bem-estar, Blog, Empreendedorismo, Freelancer, marketing

Nós estamos vivendo a era do imediatismo.

Por mais que as facilidades e o dinamismo da vida moderna possam nos agregar uma série de benefícios cotidianos que eram inimagináveis até alguns anos atrás, também existem outros pontos importantes que não podem ser ignorados.

Um desses pontos é a ansiedade, considerada por muitos especialistas como o mal desse século! Será?

Segundo um estudo da Organização Mundial da Saúde, realizado em 2018, o Brasil é líder entre os países que mais manifestam o problema, que já compromete a saúde de quase 10% de toda a população.

Serviços como o Rappi, Netflix, Spotify, Whatsapp, Uber entre muitos outros, de fato, conseguem entregar aquilo o que queremos no momento que mais desejamos. Esses serviços são utilizados com alta frequência e isso deixa o usuário mal acostumado. O que isso significa? O serviço que for mais rápido  será o escolhido.

A seguir, vou falar um pouco mais sobre como a ansiedade afeta tanto os consumidores quanto os empreendedores. Além dos meios que podem ser utilizados para se adaptar a essa realidade e ainda gerar oportunidades!

Quais as características do imediatismo moderno?

Comece esse raciocínio observando o número de emails da sua caixa de entrada. Ele deve estar diminuindo. Em contrapartida, a quantidade de mensagens no seu WhatsApp está aumentando. Isso acontece graças a necessidade das pessoas de fazerem duas coisas ao mesmo tempo. Quando alguém está ocupado com alguma atividade, é normal recorrer ao áudio do WhatsApp, por exemplo, para fazer duas coisas simultaneamente e otimizar seu tempo.

Se antes você comprava em um site de supermercado e tinha que esperar dias até que sua compra fosse entregue, hoje você pode pedir para um Rappi buscar os produtos selecionados e, dentro de horas, a mercadoria está em sua casa.

A animação de chegar em casa e ver que o filme que você tanto quer assistir está prestes a ir ao ar, abriu espaço para os serviços de streaming que permitem que você veja filmes e séries na hora que quiser. Sem contar as operadoras de televisão, que hoje entregam serviços de reprise de filmes já em exibição nos canais, catálogo para compra e agendamento de gravação do seu programa preferido.

As empresas do século XXI vêm alterando radicalmente o comportamento dos consumidores e isso afeta todas empresas criadas anteriormente de modo que elas são forçadas a se adequarem ao novo comportamento, a fim de se manterem vivas.

Ao mesmo tempo, essa ansiedade também afeta quem empreende pois, como você já deve ter ouvido falar, empreender exige consistência e longo prazo. Eu vejo muitas pessoas abrindo mão da vida corporativa para empreender, mas sem ter paciência o suficiente para esperar o tempo necessário até que as coisas aconteçam. Isso se dá por conta do imediatismo: se em um ano a empresa não decolar e apresentar ótimos resultados, o empreendedor já se convence de que a ideia não era tão boa assim.

Não há dúvidas de que vivemos em tempos de urgência e essas mudanças podem afetar a ansiedade. Caso você pense em empreender ou já tenha seu negócio, é importante entender esse novo comportamento do consumidor para entregar um serviço ou produto relevante a esse novo cenário.

Tenha disciplina, paciência e consistência a longo prazo para gerir a sua empresa

É fato que, por conta da comodidade oferecida, serviços cada vez mais revolucionários vão surgir e, em pouco tempo, a realidade dos produtos e serviços como os conhecemos será revolucionada novamente.

Enquanto consumidor, o mercado se molda cada vez mais dentro do aspecto imediatista e não podemos julgar como algo ruim. Afinal, otimização de tempo é um objetivo que todos almejam. Quando antes ouvíamos “meu dia precisa de mais 24 horas para fazer tudo”, hoje podemos dizer que precisamos apenas de mais agilidade nos serviços.

Os empreendedores, por sua vez, devem compreender e se adequar ao mercado. O futuro que antes acreditávamos estar longe, na verdade chega cada vez mais rápido. Investir em tecnologia, inovação e no que os consumidores querem é o segredo para você adequar, moldar ou criar uma empresa próspera.

E você, gostou de mais esse texto? Tem alguma observação para contribuir com a nossa discussão? Então deixe o seu comentário e não perca o conteúdo da próxima semana.

O Inbound Marketing é indispensável na era digital!

março 19, 2019 in Blog, Empreendedorismo, Freelancer, marketing

Em tempos de informação maciça e canais difusos de comunicação, os antigos paradigmas de marketing que consistiam em ofertar um produto diretamente para determinado público-alvo, já não são suficientes para impulsionar as vendas.

Partindo do pressuposto de que os consumidores contemporâneos são extremamente bem informados e buscam por conta própria informações e bens que lhe interessam, a ideia de Inbound Marketing surgiu para posicionar as marcas de maneira natural e não intrusiva durante o processo de compra.

A seguir, vou falar mais sobre esse conceito, descrevendo as suas principais etapas e demonstrando como elas podem ser decisivas no processo de conquista e fidelização de novos compradores!

Entenda o conceito de funil de vendas

Em poucas palavras, a ideia do Inbound Marketing é gerar conteúdo personalizado para que os próprios consumidores, voluntariamente, procurem pelo discurso de determinada marca e, naturalmente, tornem-se consumidores dela.

Para que isso seja possível, porém, é preciso compreender em qual fase de interesse os compradores em potencial estão em relação ao produto ou serviço ofertado.

Sendo assim, ao determinar qual tipo de conteúdo será compartilhado para o público, as estratégias de Inbound consideram três etapas de interesse, em uma jornada conhecida como “Funil de Compras”.

No Topo do Funil está o público em geral, que normalmente está pouco familiarizado com o segmento e não conhece exatamente quais as soluções ideais para sanar as suas dores e busca por maiores informações sobre aquilo que precisa.

Essa é a fase em que o conteúdo deve ser mais generalista, considerando que a maior necessidade é informar o público e guiá-lo até um interesse comum ao de sua empresa. Esse não é o momento para apresentar aquilo o que de fato você vende, pois uma oferta afastaria o interesse despertado.

Depois de informar os seus potenciais compradores, é hora de considerar um certo grau de instrução dos leitores e gerar um tipo de conteúdo mais aprofundado, que trate sobre questões específicas sobre o tema que você está abordando, na fase conhecida como Meio do Funil.

Se você vende um software de gestão empresarial, por exemplo, o Topo do Funil deve falar sobre como esse tipo de sistema é importante para as empresas contemporâneas, enquanto o Meio do Funil deve trazer questões mais específicas, como as maneiras mais eficientes de otimizar a gestão através de um bom software.

O Fundo do Funil, por fim, é o espaço para abranger o seu produto ou serviço especificamente, demonstrando como ele é capaz de resolver as dores dos seus consumidores em potencial. No exemplo do sistema, essa fase traria dicas sobre como utilizá-lo, cases de sucesso, sugestões para otimizar os resultados através dele, entre outras questões relacionadas.

Transforme visitantes em potenciais consumidores

Para que o conteúdo gerado nas fases anteriores seja realmente eficiente, é preciso gerir corretamente os internautas que têm acesso ao seu conteúdo.

No Topo do Funil do conteúdo de um blog, por exemplo, é indicado solicitar que os leitores assinem uma newsletter para que se mantenham mais informados ou ainda ofertar um material rico, como um ebook, para que saibam ainda mais sobre o assunto.

Em casos como esses, o pressuposto para disponibilizar o conteúdo é um cadastro, que automaticamente possibilita que o indivíduo faça parte do seu banco de dados e, assim, sua gestão possa acompanhar toda a sua jornada de descoberta!

O importante é fazer com que os seus diversos canais conversem entre si. As redes sociais, por exemplo, podem criar excelentes divulgações para o seu blog. O blog, por sua vez, pode guiar os acessos até vídeos interativos, ou landing pages, e assim por diante.

Tenha em mente que o seu conteúdo precisa se retroalimentar, até que o potencial consumidor em questão, aqui tratado como lead, chegue ao fundo do funil, onde a sua proposta se tornará, de fato, uma oferta de compra, um agendamento com um vendedor, uma visita com um representante ou algo relacionado.

Qualifique o seu público e gere conteúdo personalizado

Despertar o interesse das pessoas, guiá-las até níveis mais profundos da discussão e, por fim, apresentar uma solução comercial para os seus problemas: essa é a proposta de uma boa estratégia de Inbound Marketing!

Aqui, abordei o tema de maneira bastante teórica, sem mencionar os pormenores das estratégias que realmente induzem os internautas a um comportamento de compra.

Nesse meio, além das mídias já mencionadas, uma infinidade de ferramentas pode ser incluída, como disparadores de e-mail marketing, chatbots, CTAs personalizados, entre outras.

Felizmente, as agências especializadas no tema só crescem, o que, consequentemente, também aumenta a concorrência pela atenção dos consumidores nesse tipo de estratégia.

Mais do que dominar os sistemas mais prestigiados no meio, como HubSpot, RD Station, entre outros, é importante compreender a mente do consumidor e os caminhos necessários para persuadi-lo, pois só assim é possível guiar ações efetivas de uma equipe de Inbound!

E você, já está familiarizado com esse tema? Ficou com alguma dúvida ou tem algo a acrescentar em nossa discussão? Então deixe o seu comentário e continue acompanhando os meus artigos aqui no Linkedin.

A nova geração de empresas que também são plataformas!

fevereiro 28, 2019 in Blog, Empreendedorismo, marketing

Dentre todos os meios em que a tecnologia se manifesta e facilita o nosso dia a dia, o formato de plataformas é aquele que tem se tornado mais popular nos ambientes virtuais.

Com a finalidade de agregar funções e padrões que melhorem a realização de determinadas tarefas, esse tipo de solução já pode ser encontrado em qualquer segmento do mercado, seja ele industrial, empresarial, de entretenimento, alimentício, entre muitos outros.

A seguir, vou abordar não apenas como as plataformas já estão presentes no dia a dia do mercado, mas também como a sua concepção já pode abranger todas as frentes de atuação das próprias empresas!

O que são plataformas digitais e qual a sua relevância?

Em termos práticos, as plataformas digitais funcionam como facilitadoras e até promotoras de relações entre empresas e clientes.

Sua função básica é proporcionar, através de uma utilização fácil, rápida e intuitiva, a aquisição de serviços específicos, sempre com toda a segurança e confidencialidade necessárias no ambiente online.

Ao digitalizar os processos, as plataformas são, acima de tudo, um meio de facilitar funções e solucionar problemas cotidianos que, antes do advento das novas tecnologias, exigiriam esforços imensos e extremamente caros para que tivessem esse grau de otimização.  

Cada vez mais, seu uso pode caracterizar uma parte fundamental de certos mercados, o que faz com que as empresas responsáveis por elas se tornem gradativamente mais avançadas e abundantes.

Plataformas para a contratação de prestadores de serviços, por exemplo, podem ser indispensáveis para negócios que dependam da atuação de freelancers especialistas em suas áreas.

Nesse caso, a empresa que gere a plataforma, como é o caso da própria Crowd, vê nessa tecnologia a sua função primária enquanto organização, pois só assim poderá oferecer um serviço confiável às demais empresas!

Enquanto outros empreendedores utilizam o modelo de negócio para atender às suas demandas, os gestores da plataforma trabalham com a sua própria manutenção, através de atividades que envolvam marketing, programação, segurança, entre outras frentes importantes no negócio.

Se, cada vez mais, as atividades mercadológicas são feitas em plataformas, é natural que suas estruturas se tornem mais robustas e novos investimentos sejam feitos em sua implementação, manutenção e evolução!

Quais as principais plataformas do mercado contemporâneo?

Para tornar mais claro o raciocínio sobre a relevância das empresas que se tornaram plataformas digitais, é possível mencionar uma série de exemplos que já são amplamente reconhecidos pelo mercado.

A Yellow, por exemplo, é basicamente uma empresa que atua no compartilhamento de bicicletas e patinetes, mas seu modelo de negócio é todo baseado em um aplicativo que libera os veículos e permite sua utilização sem estação fixa, agregando muito mais agilidade e mobilidade à operação.

A Uber tem um modelo bem parecido, mas ao invés de fornecer os meios de locomoção, sua atuação se dá na curadoria de motoristas autônomos, além do próprio aplicativo que os conecta aos passageiros. Em poucas palavras, a função da empresa é alimentar uma rede, e não necessariamente promover o serviço que será oferecido ao cliente final.

Com a possibilidade de criar redes de profissionais, também surgiu a Gympass, em que diversas academias e centros fitness se cadastram para receber alunos de maneira esparsa que, por sua vez, precisarão pagar apenas uma mensalidade para realizar as atividades que desejarem em diferentes lugares, de acordo com as limitações do seu plano.

Entre as plataformas, também seria impossível não citar a Netflix, que literalmente aposentou o conceito de locadoras e, através de uma simples plataforma online, tornou-se referência mundial em entretenimento.

Man watching a film streaming online with popcorn, 3D glasses and clapboard, cinema and entertainment concept, flat lay

O sucesso do streaming foi tamanho, que inclusive grandes e tradicionais empresas já fazem o caminho inverso e estão se tornando plataformas para atender às necessidades do mercado, como é o caso da gigante Amazon, com a sua Amazon Prime Video, e a própria Disney, que nesse ano ainda lançará o Disney+.

Muito além da mobilidade e do entretenimento, plataformas como a Udemy estão revolucionando a educação,  aplicativos como o Spotify facilitaram o seu jeito de ouvir música,  sites como o Ifood mudaram a forma como você pede comida e tecnologias como o Tinder alteraram até mesmo a maneira como você se relaciona!

Dada a velocidade com que novos negócios surgem e com que essas tecnologias evoluem, seria impossível criar uma lista definitiva com todas as plataformas que hoje podem ser consideradas referência no mercado, mas os exemplos citados são uma excelente base para termos noção do quão diverso e promissor pode ser esse universo.

E você, gostou de saber mais sobre como as plataformas estão tomando conta do mercado? Ficou com alguma dúvida ou tem algum complemento sobre o assunto? Então não se esqueça de deixar o seu comentário e contribuir com a nossa discussão!

Como o uso de influenciadores pode beneficiar a imagem da minha empresa?

fevereiro 21, 2019 in Blog, Empreendedorismo, Freelancer, marketing

 

A ideia de utilizar pessoas com influência entre o grande público para promover determinados produtos ou serviços não é nova!

Seja em anúncios televisivos, impressos, na rádio ou em diversas outras mídias tradicionais, passamos toda a vida acostumados e nos deparar com atores, músicos, apresentadores, entre outras personalidades agregando o valor de sua imagem à determinada marca.

Com o advento da internet e a rápida popularização do conteúdo online, essa realidade se tornou ainda mais presente, porém, com algumas diferenças extremamente marcantes.

A seguir, vou falar mais sobre essas peculiaridades e quais são as melhores formas de utilizar um digital influencer na promoção da sua empresa. Confira!  

Qual o perfil dos influenciadores atuais?

Por ser um conceito relativamente antigo e familiar a todos, muitos empreendedores acreditam que o simples uso de pessoas influentes é o suficiente para garantir resultados em uma divulgação, mas a lógica não é assim tão simples.

Um ator famoso de uma novela, por exemplo, poderia até ser uma boa referência de marketing para um grande número de empresas anos atrás, pois a televisão ainda era uma das únicas mídias disponíveis.

Essa realidade fazia com que existisse um número muito menor de influenciadores realmente efetivos, mas seu alcance, porém, era extremamente mais amplo entre as pessoas e a mensagem compartilhada soava muito mais robusta.

Hoje em dia, com o poder de informação dos consumidores, a palavra de alguém influente, por si só, não basta para induzir um comportamento de compra.

Se antes, para que um item fosse especial, bastasse que ele fosse utilizado por indivíduos especiais, hoje é preciso demonstrar com clareza o seu alinhamento com as necessidades de determinado segmento!

Por mais que existam infinitos youtubers, instagramers, blogueiros, entre outros influenciadores conectados que possam ser contratados para divulgar uma marca, antes é preciso ter em mente que ele se comunica com um público extremamente específico.

Nas mídias tradicionais e de grande alcance, a lógica ainda é a mesma, pois, por mais que o apresentador do programa de domingo à tarde ainda possua uma influência de fala gigantesca, ela ainda será limitada pelo nicho de entretenimento em que ele atua!

Em poucas palavras: se antigamente era caro e difícil contratar um influenciador, atualmente eles são abundantes e extremamente difusos entre diferentes nichos.

No primeiro caso, o impacto da mensagem era mais abrangente e persuasivo, enquanto o segundo exige uma análise precisa de segmentação e um discurso mais persuasivo, demonstrando claramente quais são as vantagens de determinada marca e porque o influencer em questão a utiliza.

Como obter os melhores resultados com um influenciador?

Agora que você já sabe quais são as peculiaridades em contratar um influenciador nos dias atuais, vou abordar alguns pontos básicos que você precisa analisar antes de iniciar a sua campanha!

Para escolher o influenciador certo para a sua campanha, primeiro faça uma pesquisa sobre a sua audiência, seu comportamento e qual conteúdo é consumido e compartilhado entre ela.

Uma boa dica nessa fase de avaliação é realizar uma pesquisa junto à sua base, perguntando quanto tempo ela passa na internet por dia, quais redes utiliza, que grupos ou canais acompanha, quais sites visita regularmente, entre outras questões relacionadas.

No caso dos influenciadores, aborde quais são os assuntos que eles mais falam, o nível de engajamento com os seus seguidores, a penetração da sua marca no nicho em que eles atuam e, claro, se o valor praticado realmente condiz com os resultados que você espera obter após a análise!

Com todas essas questões em mente e o influencer definido para a sua campanha, não se esqueça de alinhar o formato da divulgação aos resultados esperados para o marketing.

Se o objetivo for aumentar a notoriedade e o branding, por exemplo, o melhor é negociar um review ou até mesmo um presente, para que o influenciador avalie a sua experiência com o produto.

Já se o caso for levar mais pessoas para o seu site ou aumentar o volume de interações nas redes sociais, uma ação promocional pode ser uma boa pedida, seja na promoção de concursos ou até no compartilhamento de novidades. Em casos de necessidade de lançar um produto ou aumentar as vendas, procure trabalhar com tags ou até realizar promoções especiais.

Não importa qual seja a lógica ou a situação: o importante, como mencionei, é adequar a sua mensagem à mesma utilizada pelo influenciador e promover uma experiência que realmente demonstre o valor agregado na sua marca!

Se você tem um supermercado, faça com que o influencer o visite, registre suas compras, ensine uma receita. Se você tem uma marca de roupas, pela para que ele use, crie reviews, fale de sua qualidade. Se você tem um plano de assinaturas, ofereça para ele e peça para que ele compartilhe suas experiências ao longo do tempo. O importante é sempre agregar mais valor ao que você oferece.

Gostou de mais essa leva de dicas? Você trabalha com algum influenciador para divulgar a sua marca? Ficou com alguma dúvida sobre o assunto? Então deixe o seu comentário.

Pitch de investimento – dez dicas valiosas para criar o seu!

fevereiro 13, 2019 in Blog, Empreendedorismo, marketing

Statistics Strategy Analysis Diagram Information Concept

Apresentar a ideia de uma Startup para possíveis investidores raramente é uma tarefa fácil, ainda mais quando isso precisa ser feito em um momento extremamente breve!

Pitch é um conceito que define uma espécie de apresentação-relâmpago, onde as boas ideias e seus defensores precisam provar o seu valor durante um espaço limitado, porém extremamente valioso, de tempo.

Todo investidor deve manter em mente 10 pontos chaves. Foram nessas diretrizes que me baseei para levantar duas rodadas de investimentos para a Crowd.

A seguir, descubra como estruturar o seu Pitch com base nessas orientações e impressione os empreendedores do seu ramo na hora de defender o valor do seu negócio!

Insira o logo da Startup e o seu slogan

Percebeu que esse artigo possui onze itens ao invés dos dez prometidos? É que consideramos essa primeira dica um extra importante para você elaborar a sua apresentação!

Até pode soar um pouco básico, mas muitos se esquecem que, tão valiosa quanto a sua proposta é também a forma como você a apresenta.

Sendo assim, não economize na hora de encontrar um bom layout de capa, com destaque para o logo da sua Startup, slogan e informações básicas de contato, como endereço, telefones e e-mails.

Contextualize a situação, apresente a dor em questão e sua respectiva oportunidade

Após as devidas apresentações, o primeiro momento serve para prender a atenção dos ouvintes, já despertando seu interesse para os possíveis ganhos que eles podem obter com a sua proposta.

Essa é a hora de contextualizar as principais características do seu segmento, as dores enfrentadas por ele, sua capacidade de amenizá-las, bem como as oportunidades de novos negócios que podem ser promovidas durante esse processo.

Defina o TAM e o Target

Para proporcionar uma visão real da fatia de mercado que você pretende ocupar, apresente logo em seguida o TAM, ou Total Addressable Market, que compreende o número de produtos ou serviços vendidos por todos os players de determinada área, assim como o ticket médio de cada.

No mesmo sentido, descreva as características do Target, alinhando seus principais pontos ao diagnóstico obtido sobre o segmento e à sua proposta de valor.

Esse é um dos itens mais importantes do Pitch, pois é nele que você define, de fato, os meios em que você vai atuar. De nada basta ser um tubarão e nadar em uma lagoa!

Apresente a sua proposta de valor

A partir de toda a contextualização criada sobre os consumidores que você pretende atingir e as principais características do seu ramo de atuação, é hora de demonstrar o que será, de fato, entregue por sua Startup.

Nesse ponto, não se esqueça de seguir os pressupostos básicos de uma proposta de valor, apresentando soluções que sejam desejáveis, exclusivas, originais e de excelência. Uma boa dica é organizar essas ideias por meio de um modelo em Canva!

É comum muitos empreendedores apostarem diretamente na tecnologia sem determinar a sua real eficiência frente à realidade do negócio, por isso tenha em mente que essa fase deve orientar um propósito para a solução de um problema existente.

Insira a solução prática, seja ela produto ou serviço

Ao provar que você realmente será capaz de criar uma demanda própria no mercado, não se esqueça de entrar nos detalhes específicos sobre o seu produto ou serviço.

Aqui é a etapa onde você tentará impressionar ainda mais aos investidores ao detalhar as tecnologias que você utiliza, os padrões de fabricação ou atendimento que adota, diferenciais básicos, entre outros fatores importantes.

Lembre-se que, ainda mais que nos outros casos, o apelo visual é muito importante nesse momento, por isso aposte em vídeos com demonstrações, imagens com esquemas técnicos, modelos de protótipos, ou a fase 1 do seu produto.

Esclareça o modelo de negócio

Para que seja possível colocar todas as suas ideias em prática, um bom modelo de negócios também precisa ser apresentado, demonstrando com clareza os seus meios e abordagens para gerar lucros.

Basicamente, você deve mostrar aos investidores quais são as pessoas que você pretende conquistar com a sua marca e de quais maneiras você fará com que elas gastem o seu dinheiro com você.

Nessa fase, é comum que se apresentem business com receitas recorrentes, pois acredita-se que agrada mais aos investidores. No entanto, o conselho aqui é de antes avaliar minuciosamente se esse modelo realmente faz sentido para a proposta que você elaborou!

Trace o plano de marketing e comunicação

Você se lembra da frase: “quem não é visto não é lembrado”? Ninguém leva ela tão a sério quanto as pessoas que pretendem botar o seu dinheiro em uma nova ideia!

Levando em consideração técnicas tradicionais de comunicação e os conceitos mais modernos de marketing digital e captação de leads, demonstre brevemente como você conquistará novos clientes de maneira efetiva e viável.

Esse é o momento ideal para apresentar o seu CAC – ou custo de aquisição de cliente- e LTV – ou life time value -, que precisam ser estabelecidos já em seu plano de negócios ou, em caso negativo, serem projetados especificamente para a sua apresentação.

Promova uma análise competitiva por meio de um quadro comparativo relacionado à concorrência

Você já possui todas as informações necessárias sobre o seu segmento e as outras empresas que fazem parte dele, mas é preciso ir além e promover uma comparação a fim de determinar o cenário que você pretende enfrentar com o seu negócio.

Mais que levantar informações sobre a concorrência, procure demonstrar como ela influenciará nas suas vendas e decisões. Nesse momento, é bom prezar pela riqueza de detalhes durante a sua fala.

A grande vantagem do benchmark é mostrar que determinado produto tem aderência, o que possibilita determinar os meios para que ele se apresente como único e diferenciado no mercado!

Defina o time que vai cuidar do projeto

Completando a visão exposta sobre como a sua Startup será operacionalizada, deixe claro como será a organização interna e quais pessoas serão responsáveis por cada função durante o seu projeto.

Aqui é necessário expor todo o fluxo de atuação e é importante que o time seja composto por membros com habilidades complementares. Normalmente, a equipe é composta por um Visionário/Empreendedor, CTO, equipe Comercial/ Marketing e de Operação.

Levante os números atuais e estabeleça sua estrutura de custos

Antes de encerrar a sua apresentação, deixe claro como estão as condições do seu produto ou serviço atualmente, com projeções sobre a sua evolução ou manutenção no futuro próximo.

Mais importante que demonstrar a sua capacidade atual, é esclarecer como o dinheiro que você pretende levantar será utilizado, sua importância para o desenvolvimento do negócio e as reais possibilidades de lucro com o investimento.

O ponto mais importante é a projeção financeira, de quanto você pretende chegar no próximo ano ou daqui a 3 anos, por exemplo, conforme detalharemos no próximo item.

Realize projeções financeiras e defina métricas-chaves

Por fim, com base em tudo o que foi apresentado, demonstre as projeções financeiras da sua Startup, para que os investidores vejam com clareza quais são as possibilidades de ganhos ao optar pela sua ideia.

Essa é a hora de mostrar as regras do jogo, ou seja, quanto de investimento por quanto de %!

Na primeira rodada de investimento, é importante não vender mais de 20%. Isso porque, caso a startup vá bem, mais rodadas serão necessárias e é importante os empreendedores terem um % que os mantenham motivado durante toda a jornada.

Trabalhe com a média de três anos para que a evolução prevista se concretize, estabelecendo não apenas um valor de mercado para o crescimento do seu negócio, mas também métricas-chaves que permitam uma visão completa de todo esse processo de evolução.

Gostou de mais essa leva de dicas? Ficou com alguma dúvida sobre como aplicar esses conhecimentos no Pitch da sua Startup? Então deixe o seu comentário.

Vídeo depoimento: qual a importância?

fevereiro 5, 2019 in Blog, Empreendedorismo, marketing

 

 

Você já ouviu falar que nenhuma propaganda ou recomendação é tão poderosa quanto aquela feita pelos seus próprios consumidores? Que tal transformar essa máxima em uma ferramenta efetiva de marketing para a sua empresa?

De acordo com dados divulgados na quarta edição do YouTube Broadcast, o tempo gasto pelos usuários só na plataforma do Google aumentou 135% de 2014 até os dias de hoje, o que demonstra uma clara inclinação no comportamento dos internautas para o consumo de conteúdo audiovisual.

É nesse cenário que os vídeos com depoimentos de clientes estão ganhando cada vez mais espaço nas estratégias de comunicação. A seguir, vou falar um pouco mais da importância e sobre como você pode se beneficiar deles. Confira.

Valorize as pessoas que confiam na sua marca

Nos dias de hoje, em que os esforços de pós-venda muitas vezes são tão importantes quanto os de captação de clientes, é indispensável humanizar a sua marca, criar experiências reais e, acima de tudo, ser capaz de se conectar com o público de maneira orgânica, em um nível praticamente pessoal!

Antes de ponderar sobre todas as vantagens que um bom vídeo depoimento pode agregar para os resultados da sua empresa, é preciso colocar-se no lugar dos seus consumidores e ser capaz de estabelecer uma comunicação que realmente demonstre a relação de confiança que você deseja construir com eles.

Quando alguém é convidado para falar sobre a sua experiência com determinado produto ou serviço, a primeira impressão é de que a marca em questão realmente está disposta a receber um feedback e valorizar a opinião de quem a consome.

Esse sentimento é transmitido aos demais compradores em potencial do seu segmento, que criam identificação com quem fala sobre o que viveu e até empatia pela organização que possibilitou esse espaço de trocas.

Agregue mais credibilidade aos seus produtos ou serviços

Por mais importantes que sejam, os conteúdos publicitários tradicionais, em que o discurso da própria empresa é utilizado para impulsionar as vendas, muitas vezes não agregam a confiança necessária para uma decisão rápida de compra.

Até mesmo os próprios depoimentos de clientes em texto, que são amplamente recomendados em estratégias online, podem causar certas dúvidas quanto à sua fidedignidade ou até veracidade, principalmente entre os internautas mais tradicionais.

Quando você convida pessoas reais, registra a sua opinião em vídeo e a compartilha para que todos possam ver, todas essas dúvidas sobre a sua verdadeira capacidade de relacionamento com os clientes deixam de existir.

Para que isso seja possível, porém, é preciso certificar-se de que a pessoa entrevista esteja à vontade e apresente um ponto de vista honesto sobre as suas percepções, que poderá facilmente ser captado através de suas expressões por quem assiste ao conteúdo.

Lembre-se: mais do que apenas legitimar a qualidade daquilo o que você está ofertando, o importante é demonstrar a sua capacidade de ser espontâneo ao relacionar-se junto ao seu segmento e atestar o seu sincero compromisso em solucionar as principais dores das pessoas que optam pela sua marca!  

 

 

Otimize sua estratégia de marketing digital

O maior desafio atual do marketing não é apenas gerar trafego para as empresas na internet, mas sim transformar cada pessoa que acessa o seu conteúdo em um cliente potencial, apto a seguir um comportamento específico de compra determinado pela sua estratégia.

A maneira mais comum de atingir esse objetivo é por meio da geração de textos, vídeos ou imagens atraentes ao público, que servem de atração para ferramentas de call to action responsáveis por, de fato, apresentar as suas soluções aos consumidores.

Essas chamadas para ação podem ser distribuídas no seu site, entre aquilo o que você considera mais atraente, ou ainda em landing pages, que são especificamente moldadas para ser o “ponto final” de quem deseja adquirir o seu produto, contratar os seus serviços ou conversar com seus representantes.

É justamente nesses ambientes que os internautas estão mais suscetíveis à conversão, por isso tratam-se de locais perfeitos para posicionar o seu vídeo depoimento!

Imagine que você, após uma série de pesquisas sobre determinado produto, se depara com a fala de um consumidor satisfeito, relatando exatamente aquilo o que você deseja. Após esse momento, então, uma proposta lhe é oferecida.

Difícil resistir ao ato da compra, ainda mais depois de conferir que aquilo o que você pesquisou é confiável e que existem pessoas realmente felizes com essa escolha, não é mesmo?

Um bom vídeo depoimento é a sua oportunidade de ouro para oferecer justamente a experiência que você gostaria de viver enquanto consumidor!

No próximo item, descubra como agregar mais valor nesse momento tão importante para as suas vendas.

Crie experiências de valor para o seu mercado

Os clientes que viveram experiências positivas e estarão mais interessados em dar voz para o seu negócio certamente também serão aqueles mais familiarizados com todos os detalhes da sua jornada de compras.

Com essa oportunidade em mãos, aproveite para sair de questões óbvias, como apenas qualidade e satisfação, e aborde todas possibilidades que as suas soluções podem trazer ao cotidiano dos consumidores.

Dúvidas recorrentes sobre os seus produtos ou serviços, bem como necessidades comuns do seu público de interesse, podem ser facilmente abordadas enquanto você grava a conversa, reforçando os principais valores oferecidos você!

Ainda sobre as experiências de valor, não se esqueça também de que os vídeos elaborados por você devem ser relevantes e de grande impacto visual, caso contrário, eles não serão capazes de prender a atenção das pessoas.

Nesse sentido, aliado com a necessidade de gerar credibilidade, não invista em vídeos com depoimentos se você não puder arcar com um bom profissional de filmagem, áudio, edição ou até com entrevistadores.

Felizmente, as agências e autônomos qualificados para criar boas campanhas em vídeo são cada vez mais numerosos e podem ser encontrados de maneira fácil e acessível por meio de plataformas especializadas como a Crowd.

E você, já havia considerado essa estratégia no seu negócio? Conhece algum case interessante sobre depoimentos em vídeo para compartilhar conosco? Deixe o seu comentário e contribua com a discussão!

Logotipo x branding: por que se aprofundar nesses conceitos?

fevereiro 5, 2019 in Blog, Empreendedorismo, marketing

No mercado atual, em que o conteúdo e a imagem de uma marca são os seus maiores valores perante o público, é indispensável compreender quais são os elementos capazes de promover uma comunicação realmente efetiva.

De acordo com a última pesquisa Content Trends, 73% das empresas adotam estratégias de Marketing de Conteúdo, das quais 74,6% apontam que questões de engajamento representam os seus maiores desafios.

Isso quer dizer que não basta simplesmente estar na web e promover um bom marketing: é preciso estabelecer um posicionamento único, capaz de diferenciar a sua imagem perante as demais empresas!

A seguir, vou explicar como o desenvolvimento planejado de um logotipo e demais peças que compõem a identidade de uma organização são ações inseridas no conceito de branding, que é fundamental para que você consiga cumprir todos os desafios que acabei de descrever!

O que é branding?

A ideia de branding está envolvida em uma confusão comum entre as pessoas leigas na área, que acreditam tratar-se de um sinônimo para logotipo ou para um conjunto de trabalhos publicitários.

Seu significado e sua abrangência, porém, são muito maiores, pois contemplam absolutamente todos os aspectos responsáveis por identificar uma marca e diferenciá-la das demais.

Ao abordar as questões que definem como uma empresa é reconhecida pelo mercado e pelo grande público, tanto aspectos tangíveis quanto intangíveis podem ser abordados.

No design de um logotipo, por exemplo, as percepções das pessoas mudam drasticamente de acordo com o tom de cores utilizados, padrão das formas, serifas nas fontes, entre outros aspectos.

Em um planejamento de branding, tudo isso é levado em consideração para criar a representação mais fiel possível do que é determinada organização – e isso pode incluir slogan, tom de voz institucional, valores internos, identidade, brand manifesto, pontos de venda, entre muitas outras questões.

Qual a sua importância?

Os conceitos que constroem uma marca são exatamente aquilo que dita as maneiras com que os consumidores lembrarão da sua empresa.

Se os fatores objetivos de um produto ou de um serviço, como qualidade, durabilidade e preço, já não são os principais influenciadores de uma decisão de compra, então são nos valores subjetivos que estão as respostas para os desejos dos consumidores.

Ao compreender as pessoas que investem naquilo o que você oferece e guiar o seu comportamento com aquilo que elas esperam, uma relação bem mais próxima e pessoal é construída, em que simples compradores se tornam verdadeiros admiradores da sua marca.

O grande segredo é saber alinhar as necessidades do público do seu segmento aos principais objetivos do seu negócio, fazendo com que certos valores sejam associados à sua organização toda vez que alguém lembrar deles.

É importante ir além de questões racionais durante os esforços de marketing, pois praticamente todo o comportamento de consumo é guiado por questões irracionais!

Quando você estabelece a sua abordagem prevendo as emoções envolvidas em um processo de captação e fidelização de clientes, até mesmo o preço pode ser muito mais elevado que o dos concorrentes, uma vez que as pessoas ainda valorizarão mais as sensações de confiança, hábito e proximidade proporcionadas por você.

Como esses conceitos se aplicam na prática?

Meu texto pode ter soado muito abrangente e subjetivo até agora, mas a verdade é que não existe uma fórmula pronta de branding.

Ele deve ser um elemento recorrente em absolutamente tudo que uma empresa produz, representando praticamente uma filosofia interna, em que estilo, postura e valores institucionais sejam tão reconhecíveis quanto as características de um próprio indivíduo.

Um bom exemplo para demonstrar o poder do branding é um restaurante capaz de dar água na boca de milhões de pessoas diferentes ao redor do mundo: o McDonald’s.

Você alguma vez já viajou de noite pela estrada e de longe avistou um “M” brilhante indicando a presença de um estabelecimento? Não é por acaso que o formato dos arcos amarelos é tão inconfundível!

As cores amarela e vermelha, além de chamativas, são intimamente associadas pelo nosso subconsciente à alimentos suculentos. Elas também despertam um sinal de alerta em nosso cérebro, o que cria uma associação com a velocidade com que os lanches são servidos.

Outro fator importante do amarelo é seu aspecto vívido, que representa a alegria que quer ser transmitida no local, que também pode ser percebida no tom despojado da comunicação e no padrão lúdico da decoração nos estabelecimentos.

O próprio tipo de letra, que apresenta uma fonte simples e destacada em negrito, contribui para esse poder quase imperceptível de persuasão, afinal, trata-se de um design simples e facilmente reconhecível para pessoas de qualquer nível de instrução ou padrão cultural.

E você, já conhecia o poder de um bom branding? Tem alguma experiência interessante sobre o tema que deseja compartilhar conosco? Então deixe o seu comentário e não deixe de acompanhar os meus próximos artigos!

Entenda a importância das campanhas em Google Adwords

fevereiro 5, 2019 in Blog, marketing

 

Mesmo que as campanhas de otimização em SEO e demais ferramentas de posicionamento orgânico nos motores de busca sejam cada vez mais centrais no marketing digital, o tráfego pago ainda é um fator indispensável para gerar mais competitividade para a sua marca na web! 

Nesse cenário, o Google Adwords é um item primordial em qualquer estratégia, pois permite a promoção rápida e flexível de qualquer tipo de site, seja nos resultados das pesquisas feitas no buscador, em redes sociais da empresa, como o Youtube e o Facebook, ou até em portais parceiros, que já representam mais de 95% de todos os websites disponíveis nas buscas.

A seguir, vou falar um pouco mais sobre como esses anúncios podem ser feitos de acordo com o perfil da sua empresa e quais as melhores maneiras de otimizar os seus resultados junto ao público através de landingpages promovidas no Adwords!

Saiba como anunciar pelo Google Adwords por meio de Redes de Pesquisa

Conforme eu mencionei anteriormente, o Google Adwords é uma ferramenta extremamente flexível, não apenas por democratizar os anúncios para empresas de qualquer porte, mas também por oferecer diversos modelos de investimento.

O primeiro é por meio de Redes de Pesquisa, em que uma lista de palavras-chave relacionadas ao negócio é elaborada, a fim de destacar o link em questão sempre que uma pesquisa com algum desses termos for feita.

Se a ideia de otimização em SEO é utilizar palavras específicas e conteúdo relevante para que o algoritmo do Google reconheça o seu conteúdo como a melhor opção nas pesquisas de usuário, as Redes de Pesquisa pagas tornam esse processo mais célere e ainda mais efetivo.

A possibilidade de pagar para ocupar as melhores opções nos resultados de pesquisa ainda torna possível retroalimentar o tráfego de determinadas páginas de maneira constante, até que o posicionamento por determinados termos se torne orgânico.

Tenha em mente, porém, que não basta simplesmente utilizar palavras-chave com grande volume de busca: elas precisam estar intimamente relacionadas ao seu negócio, corresponder com o comportamento previsto para o seu público-alvo e ser bem segmentadas, para que não ocorra concorrência excessiva pelos seus resultados.

Se você vende camisetas online, por exemplo, não adianta simplesmente definir um termo com grande volume de buscas e associá-lo ao seu site. É preciso prever o comportamento dos consumidores e determinar palavras que correspondam às suas expectativas no momento em que digitam algo e procuram resultados no Google!

Ainda no exemplo das camisetas, se você vende peças estampadas para jovens, procure investir em situações como “camisetas estampadas”, “camisetas geek” ou outros termos específicos, que conversem com o conteúdo de seus produtos, como “camisetas séries”, por exemplo.

Por mais que palavras abrangentes, como “roupas” ou “moda”, tenham milhões de pesquisas, elas não guiarão as pessoas até aquilo o que você oferece de fato – e ainda apresentarão um alto índice de concorrência pelas melhores posições na busca, tornando seus gastos maiores e menos efetivos.

Confira as oportunidades oferecidas pelas Redes de Display

Nas Redes de Display, os próprios sites de propriedade do Google ou parceiros indexados são os responsáveis pelos anúncios, aproveitando-se do interesse dos usuários pelo conteúdo para apresentar banners, imagens interativas, gráficos, textos, materiais dinâmicos, entre outras formas de divulgação de links.

Nelas, é você mesmo quem escolhe os websites específicos que apresentarão as suas peças de divulgação, ou até mesmo temas segmentados de conteúdo, para que tudo o que você divulgar seja visto apenas pelas pessoas que realmente tenham interesse em seu segmento!

Nessas redes, você ainda pode indexar os seus produtos no Google Shopping, em que o preço, a descrição e uma imagem são expostas de maneira prática e rápida já no momento da pesquisa, com possibilidade de clique para compra imediata.

A principal vantagem do modelo é a praticidade e o dinamismo na criação dos anúncios, que não dependem necessariamente da qualidade e relevância do conteúdo mantido periodicamente pela empresa, mas principalmente do alinhamento entre ofertas promovidas e seus termos com o interesse momentâneo do público-alvo.

Entre as duas opções apresentadas, não existe escolha certa ou errada: o importante é compreender as necessidades do seu negócio e quais são as metas que podem ser atingidas com o orçamento disponível.

Enquanto a primeira situação é mais indicada para trabalhos que envolvam mais esforços de engajamento de público e qualificação da página junto ao algoritmo que direciona as pesquisas, a segunda é melhor para divulgações pontuais, retroalimentação de páginas e até promoção de landingpages!  

Otimize a sua interação com o público com landingpages promovidas no Adwords

Conhecidas como páginas de conversão, as landingpages visam induzir os usuários a preencher um formulário com seus dados, para que as empresas tenham informações úteis para conduzir sua jornada de vendas.

Ao contrário de websites tradicionais, que apresentam um alto volume de informações, as landingpages trazem alto apelo visual e textos extremamente objetivos, a fim de persuadir o comportamento dos internautas.

Para que a ferramenta gere o engajamento esperado, é necessário oferecer uma contrapartida, como o download de um ebook, a assinatura de um newsletter, o contato de um vendedor ou até um cupom de desconto.

Mais que induzir as pessoas a fornecerem dados estratégicos de venda, é primordial que cada vez mais usuários tenham acesso à sua oferta – e é justamente nesse quesito que o Adwords gera resultados incomparáveis!

Ao garantir uma landingpage bem posicionada nos resultados das buscas realizadas no Google, um público cada vez maior e mais bem segmentado encontrará aquilo o que você tem a oferecer.

Além de ampliar as suas possibilidades de conversões e melhorar a sua percepção de marca, a ferramenta proporciona a construção de um verdadeiro relacionamento online com os seus consumidores de interesse.

Tenha em mente que o principal fator avaliado pelos algoritmos de busca é a qualidade da sua landingpage, por isso não invista muito dinheiro na sua campanha sem antes garantir uma oferta e um conteúdo que possuam relevância.

Por outro lado, quanto melhor for a experiência fornecida aos usuários, menor será o valor pago pelos cliques em suas promoções, por isso finalizo esse artigo reforçando a importância do alinhamento entre as palavras-chave e investimentos com aquilo que você realmente apresenta ao seu público na web!

Gostou dessas dicas para melhorar o seu desempenho com marketing digital? Algum conceito ficou de fora do meu resumo e você considera importante para o tema? Então deixe um comentário com a sua opinião sobre o assunto.

contact us