Como a criação de artigos aumenta a sua relevância online

julho 10, 2019 in Blog, Empreendedorismo, Freelancer, Home office, marketing

Hoje em dia, as plataformas digitais ampliaram os horizontes de conexões e possibilidades de negócios. Cada vez mais, empresas e profissionais de diversas áreas aprendem a utilizar os meios digitais a seu favor nesse campo tão competitivo.

Mas afinal, você sabe como gerar conteúdo e engajar as pessoas na sua área de atuação? Uma das maneiras mais eficazes para atingir seu público em potencial é com criação de artigos otimizados!

Você sabe como funciona? A seguir, descubra os conceitos e principais dicas de aplicação, saiba mais sobre SEO e algumas ferramentas para facilitar a sua utilização.

Qual a importância dos artigos otimizados e principais cuidados na sua aplicação? 

Para fidelizar aqueles que frequentam ou encontram sua página na internet, é essencial oferecer um conteúdo em troca de sua atenção. Artigos com assuntos relevantes e originais comprovadamente aumentam o tráfego do seu site. landing page ou redes sociais.

Se você tem um negócio online, a dica é não oferecer apenas um negócio ou serviço. Torne-se autoridade no assunto. Assim, a credibilidade aumenta e, consequentemente, o número de pessoas interessadas subirão.

Para isso, considere algumas dicas básicas:

  • Defina sua persona de marketing: qual é o perfil de pessoa que está inclinada naturalmente ao seu conteúdo?
  • Coloque-se no lugar desta pessoa: reflita sobre o que ela pode querer, o que é relevante para a sua vida e até mesmo as perguntas que a mesma lança no Google. O que ela busca, afinal?
  • Ofereça algo de novo: o conteúdo precisa ser original de alguma forma e não apenas mais um artigo no oceano infinito da web. Pode ser um ponto de vista, uma abordagem, enfim. É preciso somar!
  • Aposte no SEO: tão importante quanto a definição da persona, as técnicas SEO (Search Engine Optimization) ajudarão a rankear melhor o conteúdo na internet, possibilitando que ele alcance o público em potencial.

Essa lógica é o primeiro passo para quem deseja produzir conteúdo, mas é essencial considerar as principais técnicas SEO antes de começar a gerar os seus artigos, pois são elas que contribuem para destacar o seu site dentre os demais. Saiba mais sobre elas no próximo item. 

Como o SEO ajuda a impulsionar o conteúdo produzido?

Como estabelecemos anteriormente, o SEO é essencial para melhor ranquear o conteúdo online. Na prática, isso significa que, depois de escrever artigos relevantes, o segundo passo é garantir que as pessoas interessadas terão acesso a eles.

São muitas as opções de conteúdo na internet, o que muitas vezes pode dificultar essa missão. Por isso, é preciso considerar algumas dicas especiais para otimizar a presença do conteúdo na web:

  • Defina bem as suas palavras-chave: estas são as “iscas” virtuais que vão aparecer nas pesquisas do usuário. Ao estabelecer a persona, você já terá noção do que seu público procura na internet. A partir daí, incorporar palavras-chave relevantes para o mesmo é um passo primordial para um bom ranqueamento;
  • Crie bons títulos e subtítulos: a estrutura é fundamental para despertar o interesse de quem acompanha seu conteúdo! Quebrar os artigos com subtítulos H1, H2 e até H3 ajuda muito na missão de tornar a leitura mais instigante e distribuir melhor as suas palavras-chave dentro do texto; 
  • URL curta e clara: evite URLs complexas, longas e que preencham toda a barra do navegador do seu leitor. Opções mais curtas e claras são muito mais amigáveis.
  • Meta Description: tão importante quanto a palavra-chave é pensar em uma boa meta description, pois ela pode impulsionar melhor o conteúdo nesse mar de opções digitais. Use bem esses caracteres para apresentar palavras-chave, pontos atraentes do conteúdo e o quão relevante ele pode ser para a vida do leitor. 

Em todos os casos mencionados, cuide para não lançar promessas falsas!

Estas são algumas dicas que facilitam a vida do gerador de conteúdo online, mas você ainda precisará de outras ferramentas na hora de produzir e distribuir os seus artigos. 

Para facilitar todo esse processo, é muito comum e aconselhável a utilização de plugins para SEO, conforme descreveremos no próximo item. 

Quais as principais ferramentas utilizadas para a otimização de SEO? 

Entre as diversas opções disponíveis que são capazes de facilitar todos os pontos descritos no item anterior, alguns exemplos merecem ser mencionados para você explorar melhor:

  • SEMRush: ferramenta intuitiva e fácil de usar, que confere dicas orgânicas para melhorar o seu texto, propondo novas palavras-chave, aprimoramento de parágrafos e tamanho ideal de artigos com base em análise de dados;
  • SEO by Yoast: um dos plugins mais famosos para WordPress, o Yoast facilita a construção de melhores títulos, meta description e meta keywords, além de uma longa lista de ferramentas complementares para otimizar o texto em diferentes plataformas.
  • Google Keyword Planner: quem melhor do que o Google para conferir informações precisas sobre a relevância de assuntos e tráfego online? Essa ferramenta gratuita possibilita a escolha das palavras-chave certas para o seu objetivo, trazendo dados estimados sobre volume, número de clicks e o nível de dificuldade de fidelização. 

Unir as dicas mencionadas com a tecnologia desses e outros plugins é o caminho certo para obter excelentes resultados com o seu conteúdo online. Tudo começa, porém, na compreensão da importância que a geração de artigos de qualidade e que realmente despertem o interesse do público tem para o tráfego da sua página!

Está procurando ajuda para colocar essa estratégia em prática? A Crowd dispõe de diversos profissionais aptos a produzir o melhor conteúdo para o seu negócio! E para saber mais sobre esse e outros temas indispensáveis para a competitividade da sua empresa na web, continue acompanhando os artigos semanalmente. 

UX e a Arquitetura da Informação

junho 24, 2019 in Blog, Empreendedorismo, Freelancer, Home office, Web Design

Assim como os conceitos de acessibilidade e usabilidade, a Arquitetura da Informação não nasceu no mundo digital. Por outro lado, sabe-se que é nele que a sua aplicação ganha mais força entre designers e desenvolvedores!

Plataformas e aplicativos que usamos todos os dias contam com a influência da Arquitetura da Informação, nos ajudando a entender o que nos rodeia e a nos levar ao encontro daquilo que procuramos. 

A forte influência na experiência dos usuários, por isso, a seguir, vamos entender, como ela funciona na prática.

O que é Arquitetura da Informação ou UX?

De forma direta, Arquitetura da Informação é a ação de organizar as diferentes partes de um sistema para que este seja compreensível ao usuário.

Quer um exemplo? Quando projetamos um website, entramos em um processo de decisões: quais os pontos principais, onde eles devem estar, como devem se conectar entre si, etc.

Esse é um estágio muito importante, pois nós, humanos, apenas entendemos as coisas quando há uma relação entre elas. É justamente esse o papel da Arquitetura da Informação.

No processo de design da experiência do usuário (UX), o projetista deve sempre considerar, principalmente, a forma como o produto entrega o seu principal valor: o conteúdo.

Por conta disso, alguns aspectos “invisíveis” aos usuários operam no subtexto das interfaces que ele utiliza. Esses aspectos estão presentes, justamente, no planejamento da Arquitetura da Informação.

Como a experiência do usuário (UX) se caracteriza?

Termo muito popular hoje em dia, a experiência do usuário (UX) é muito valorizada por pessoas e empresas que se interessam pela ideia de trabalhar com produtos e serviços digitais.

A UX determina as sensações que um usuário tem ao experimentar um produto, serviço ou sistema. Para isso, equilibra-se aspectos práticos, significativos, experienciais e valores de interação.

Considere o seguinte exemplo: quando você pede um Uber ou outro carro em um aplicativo de caronas remuneradas, basta fazer a sua escolha, apertar um botão e esperar o carro chegar, certo? 

Agora imagine todo o processo de arquitetura de informação por trás dessas funções, que ocorrem para garantir a comodidade dos consumidores!

Isso inclui desde um sistema que identifica o raio próximo de distância do seu dispositivo e notifica vários motoristas interessados, até a interface dos profissionais que podem aceitar a corrida e conferir o endereço dela.

A experiência positiva é fruto de um desenvolvimento que levou em conta todas as necessidades e preocupações do usuário, para que um sistema operacional eficiente seja capaz de saná-las de maneira sempre prática e intuitiva. 

É preciso considerar a experiência do usuário, antecipando todos os pontos relevantes do seu comportamento durante o processo de AI.

Qual a relação entre Arquitetura da Informação e UX?

Mas afinal, em que pontos a Arquitetura da Informação influencia a experiência do cliente? Destacamos algumas esferas principais para sempre estar atento:

  1. Estratégia: o que esperamos do produto, seja ele um website, aplicativo, plataforma, entre outros. O que os usuários desejam deles.
  2. Escopo: diz respeito aos requisitos e especificações de funções e qualidades que o produto deve possuir, assim como a melhor condução do projeto.
  3. Estrutura: a organização em si, compreendendo os pontos menos e mais importantes a serem encontrados pelo usuário e como encaixá-los nas capacidades do produto.
  4. Superfície: a interface final, que o usuário terá diante de si. É onde ele vai, de fato, interagir.
  5. Esqueleto: a organização dos elementos desenhados que constroem a interface e seus componentes. Aqui, é preciso levar em conta os componentes mais adequados para habilitar funcionalidades e exibir informações ao usuário.

Esses são alguns pontos que mostram como a UX está diretamente ligada ao planejamento da Arquitetura da Informação.

Para que você compreenda essa relação com ainda mais clareza, faça uma analogia com a construção de uma casa: enquanto um arquiteto faz a planta do projeto, pensando em todos os espaços e seus fluxos, um designer fica responsável pela visualização em 3D e aparências para os clientes, enquanto os engenheiros lidam com a construção.

No mundo digital, o arquiteto da informação planeja as funções, depois o designer cria a aparência e os layouts do projeto para que, por fim, os desenvolvedores possam construí-lo! 

Você já conhecia os detalhes e as diferenças entre UX e a arquitetura da informação? Quer conhecer ainda mais conceitos importantes como esse? Então continue acompanhando o nosso conteúdo! E não se esqueça de contar com a Crowd para o seu projeto de UX.

Entenda a importância do marketing pessoal!

junho 24, 2019 in Blog, Empreendedorismo, emprego, Freelancer, Home office, marketing

Não é novidade que, nos dias de hoje, as pessoas passam boa parte de seu tempo nas redes sociais.

Mais que um espaço para compartilhar ideias e momentos de lazer da vida pessoal, essas redes também podem ser uma importante ferramenta para quem deseja dar um salto em sua carreira ou traçar novos objetivos em sua vida! 

Isso é válido tanto para quem possui um negócio próprio, quanto para quem trabalha com vendas, deseja trocar de emprego ou até mesmo ser promovido.

Investir no seu marketing pessoal é indispensável para atingir esses objetivos. Seguindo estratégias e técnicas eficazes, você pode agregar diferenciais únicos no mercado de trabalho e obter resultados incríveis.

A seguir, entenda a real importância desse investimento e o que levar em consideração na hora de realizá-lo. 

Saiba mais sobre a importância de investir no marketing pessoal

Em poucas palavras, o marketing pessoal visa ajudar um profissional a apontar os seus diferenciais dentro do mercado competitivo e difundir melhor as suas melhores ideias.

Em nossa sociedade, encontramos inúmeros exemplos de pessoas reconhecidas pelos seus feitos, sejam elas artistas, cientistas, empresários ou outros profissionais de destaque. 

O que esses indivíduos têm em comum não é apenas o talento ou reconhecimento, mas principalmente a relevância de seus discursos na vida das pessoas.

Em qualquer área, o mais importante é que a sua voz seja ouvida! É nesse ponto que entra o investimento no marketing pessoal!

No próximo item, confira as principais estratégias para investir no seu marketing pessoal de maneira efetiva. 

Descubra os pontos mais importantes para levar em consideração na sua carreira

Agora que você entende a importância de um plano de marketing pessoal, confira os principais pontos que você precisa considerar nesse tipo de estratégia:

Tenha um objetivo claro

Existem muitos caminhos para se promover. Antes de considerá-los, porém, você precisa definir as suas metas e objetivos pessoais. Alguns questionamentos importantes são:

  1. Quem você gostaria de ser?
  2. Pelo que você gostaria de ser lembrado?
  3. Onde você pretende chegar na sua carreira?
  4. Você se contrataria se estivesse em outra posição?
  5. Em qual nível social você pretende chegar?
  6. Quais pessoas influentes você gostaria de conhecer e por que?

A partir dessas considerações, você pode começar a considerar os pontos chave de sua atual imagem pessoal e tudo aquilo o que você gostaria de alterar ou adaptar. 

É preciso ter em mente que as estratégias de marketing pessoal são diferentes para cada tipo de pessoa e, justamente por isso, são muito mais eficazes quando você entende o que pretende alcançar!

Aposte em uma boa presença online 

Redes como Facebook, LinkedIn, Instagram e Twitter podem ser ótimos veículos de marketing pessoal. Você pode inspirar as pessoas com seu conteúdo ao mesmo tempo em que cultiva o networking. 

Blogs e sites são outras famosas ferramentas de construção do marketing pessoal. Através dessas plataformas, você pode compartilhar conteúdos criados por você e mostrar seu trabalho ou forma de pensar.

Uma boa ideia pode ser divulgar seus endereços de e-mail profissional e portfólios. Assim, as pessoas podem contatar você de modo mais acessível e vão ter isso em mente sempre que acessarem seu conteúdo.

Tenha um bom perfil no Linkedin

Dentre todas as redes e canais de comunicação mencionadas no item anterior, o Linkedin talvez seja a mais importante para o perfil contemporâneo de profissionais, graças à possibilidade de conexão e descoberta que permite entre representantes de diferentes áreas.

Para garantir relevância na plataforma, é indispensável ter um perfil completo, disponibilizando todas as informações profissionais relevantes, além de estar conectado aos principais influenciadores da sua área. Apresentar-se como uma referência, através de uma boa apresentação e conteúdos que demonstrem o seu conhecimento na área de atuação também ajuda a transmitir credibilidade. Todo conteúdo produzido é válido: de vídeos amigáveis compartilhando dicas, até artigos técnicos com informações específicas.

Tenha em mente que a forma como você pensa pode ser colocada de um jeito que milhares ou milhões de pessoas possam ver. É isso que vai criar relevância para a sua imagem e fará com que você seja lembrado!

Não tenha medo de praticar o seu marketing pessoal no dia a dia!

A sua imagem pessoal é seu cartão de visitas. Isso quer dizer que as primeiras impressões que as pessoas têm de você contam muito! 

Se você pretende inspirar as pessoas e alcançar os seus objetivos, o melhor caminho possível para a sua carreira é ter foco em um plano de marketing pessoal personalizado.

Com isso em mente, invista na sua comunicação, postura, recursos e conteúdo. Dar o primeiro passo pode ser bastante desafiador, mas a prática ajuda a tornar o trabalho natural e garante confiança para quem o está fazendo. E vale lembrar: se precisa de ajuda, a Crowd auxilia a traçar a melhor estratégia e a executar o plano mais adequado para você!

Como a Landing Page pode ajudar a gerar leads em campanhas

junho 17, 2019 in Blog, Empreendedorismo, Freelancer, Home office, marketing

Converter visitas em engajamento é o objetivo de toda empresa que vê no marketing digital uma possibilidade de crescimento. Com uma concorrência cada vez maior, a melhor maneira de conquistar o destaque almejado é através de boas Landing Pages.

Landing Page, em linhas gerais, é uma página que possui os elementos necessários para converter visitantes em leads. O termo “página de aterrissagem caracteriza bem o seu funcionamento, pois é justamente onde o visitante “aterriza”, pronto para entender melhor o seu negócio.

Por normalmente possuir altas taxas de conversão, as Landing Pages são amplamente utilizadas em campanhas de marketing. Por isso, uma boa Landing Page é a estratégia ideal para campanhas que querem gerar leads.

Como funciona uma Landing Page?

Considere toda a experiência do usuário. Se ele busca por um determinado assunto no Google e acaba encontrando o seu blog, por exemplo, essa é a sua página de “aterrissagem”, pois foi ali onde ele encontrou suas respostas quando pesquisou o assunto no buscador.

Quando o contexto é o marketing digital, outro ponto deve ser levado em consideração: as conversões! Nesse cenário, o uso de Landing Pages é diretamente associado a esse principal objetivo.

No próximo item, entenda melhor sua importância e qual é a estrutura ideal para quem deseja gerar o melhor fluxo de conversão em campanhas digitais através desse tipo de página.

Qual a importância de uma boa Landing Page?

Muitas empresas já são bem-sucedidas na missão de levar os cliques de suas campanhas publicitárias para uma página de um site.

Muitas vezes, porém, dependendo da forma como esse conteúdo é estruturado, o visitante pode se distrair e acabar lendo outras coisas na página, fazendo com que seus dados de contato não sejam captados nesse processo, impossibilitando a ideia de conversão e engajamento.

O objetivo de uma Landing Page é, justamente, capturar informações do visitante. Esse é o estágio mais importante do processo, pois é aí que você pode transformar a sua visita em um lead.

Por isso, uma boa estratégia de marketing precisa trazer uma Landing Page específica para cada etapa do funil, conforme abordaremos no próximo item.

Quais são os principais tipos de Landing Pages?

De forma geral, podemos segmentar as Landing Pages em 3 categorias principais, de acordo com o funil do marketing digital:

  • Topo de funil: essas páginas costumam conter uma isca, ou seja, um conteúdo relevante capaz de “fisgar” a atenção do visitante. Em troca do conteúdo oferecido, porém, ele precisa deixar os seus contatos. Essa fase envolve campos de preenchimento menores, geralmente pedindo apenas nome e e-mail;
  • Meio do funil: uma vez estabelecido o primeiro contato, agora o objetivo é oferecer um conteúdo relevante e que aprofunde o primeiro assunto. Aqui são solicitadas mais informações do visitante em troca do conteúdo, como nome, telefone, e-mail, site da empresa, entre outros;
  • Fundo do funil: essa é a última fase, onde o seu lead chega no estágio de solicitação de uma demonstração ou proposta. Todas as informações necessárias para o processo devem ser solicitadas neste momento.

Quais as diferenças entre Landing Page e Homepage?

Diversas empresas que realizam campanhas online costumam direcionar os visitantes para a Homepage do seu site. Embora comum, essa prática não é ideal para gerar leads.

Para converter, primeiro é preciso estabelecer um relacionamento de qualidade com potenciais clientes. Através do trajeto anteriormente demonstrado, eles precisam avançar, passo a passo, nessa jornada de compra.

Para entender melhor a questão, é importante colocar-se na posição desse possível cliente. Uma vez que ele faz uma busca (no Google, Facebook, etc), o usuário espera encontrar exatamente o que procura.

Nesse processo, pode ser que ele chegue até a Homepage do seu negócio. O problema, porém, é que muitas vezes ela não vai suprir todas as suas necessidades.

Imagine que o seu cliente procura um serviço de seguros para o seu carro, por exemplo. Ao efetuar a pesquisa, ele cai diretamente na Homepage de uma seguradora, repleta de informações sobre o negócio e todas as diferentes modalidades de seguro ofertadas.

Será que esse usuário encontrou o que procurava? Pelo contrário: provavelmente se sentiu ainda mais perdido em um mar de informações irrelevantes. Nesse modelo, as chances de conversão são mínimas, ainda mais considerando que os concorrentes já utilizam Landing Pages para suprir a essa demanda.

Nesse exemplo da seguradora, o ideal seria dedicar uma Landing Page para cada tipo de seguro oferecido! Esse simples recurso é capaz de otimizar o processo apresentado acima, direcionando o cliente em potencial no sentido exato daquilo que melhor vai atender a sua pergunta inicial.

Quais são os itens mais importantes para uma boa Landing Page?

Agora que você já conhece a importância e os benefícios de uma boa Landing Page, confira alguns itens importantes para que ela seja capaz de gerar leads para as suas campanhas:

  • Trust logos: marcas conhecidas geram credibilidade para uma empresa. Uma boa alternativa é apostar nelas;
  • No Exit Links: evite a utilização de “links de saída”. O objetivo não é distrair ou dar opções para o usuário sair da página – é preciso seguir adiante;
  • Proposta de valor: para converter, é preciso destacar o valor da sua empresa. Por que o lead deve comprar da sua empresa e não de um concorrente?
  • Formulário bem desenvolvido: não apenas o conteúdo deve seguir as premissas de cada etapa do funil, como aparecer no lugar certo para captar o lead;
  • High contrast & action oriented CTA button: o botão de chamada para ação deve ser bem visível e posicionado. O usuário deve achá-lo instintivamente e não perder tempo o procurando.
  • Qualidade do texto: os diferenciais do produto ou serviço devem ser apresentados de forma sempre clara e sucinta;
  • Depoimentos de clientes: geração de credibilidade para validar o produto ou serviço junto ao público.

É fácil concluir que uma boa Landing Page traz os recursos necessários para atrair clientes em potencial, proporcionando mais engajamento para as empresas.

Essas páginas são as ferramentas ideais para as campanhas publicitárias, pois criam interesse pelo o seu negócio, fidelizam o público e permitem uma alta capacidade de mensuração.

 Ao seguir a estrutura básica e todas as dicas abordadas ao longo do artigo, você terá o caminho certo para construir a Landing Page ideal para o seu negócio!

Gostou das dicas? Quer saber ainda mais sobre Landing Pages e outros temas interessantes como esse? Então não perca os próximos artigos. E lembre-se: conte com a Crowd para definir a melhor Landing Page para o seu negócio!

Algoritmos nas redes sociais: entenda as mudanças do Facebook e Instagram

fevereiro 5, 2019 in Blog, Empreendedorismo, Home office, marketing

As redes sociais são os principais canais de comunicação da atualidade e saber utilizá-las é indispensável para obter sucesso em qualquer negócio.

A pesquisa Content Trends, realizada em 2018 com agências de marketing digital e internautas de todo o Brasil, não me deixa mentir: os posts nesse tipo de mídia são os mais utilizados entre os usuários para consumir conteúdo!

Quando o assunto são pesquisas específicas para encontrar informações, as plataformas sociais foram destacadas por 85,4% dos respondentes, ficando atrás apenas das buscas no Google, que tiveram 86,7% dos votos.   

Ao se deparar com esses dados, é possível ter uma noção sobre o grande volume de informações que circulam nas redes!

Nesse cenário, para que a experiência dos usuários não se tornasse muito difusa e esparsa entre milhares de posts, diversos algoritmos foram criados para definir qual tipo de conteúdo é apresentado para determinados perfis de pessoas.

Sabendo disso, a empresa que deseja se destacar nas mídias sociais precisa compreender o funcionamento dessas ferramentas de segmentação e determinar ações que tornem os seus posts realmente relevantes para os seus seguidores.

Considerando que o Facebook e o Instagram ainda são as redes de divulgação preferidas pelos negócios brasileiros, preparei algumas dicas e informações sobre os seus algoritmos, para que você saiba como dominar esses canais e gere novas oportunidades através deles!

Por que me preocupar com o algoritmo das redes sociais?

Para criar um canal de comunicação eficiente com os seus clientes e entregar um conteúdo que fidelize o seu público-alvo, o relacionamento que a sua marca estabelece nas redes sociais é fundamental.

Ao dominar as regras e instruções impostas pelas plataformas, que servem justamente para orientar o que é apresentado aos usuários, você será capaz de se aproximar das pessoas de maneira mais natural, conquistando novos seguidores para a sua empresa.

Mais que compartilhar divulgações, enaltecer o seu negócio e expor as suas ideias, dominar os padrões do Facebook e do Instagram é a maneira mais poderosa de fidelizar e humanizar a sua marca!

A seguir, confira alguns cuidados básicos para adotar em suas postagens e campanhas patrocinadas nessas redes sociais.

Como obter uma boa performance no Facebook?

A última mudança relevante sofrida pelo algoritmo da rede de Mark Zuckemberg foi a maneira com que ela interpreta o conteúdo “de qualidade” entregue aos usuários.

Postagens sobre empresas agora ficam em segundo plano, dando espaço para grupos de interesse, fotos de família ou publicações de amigos, que são consideradas de maior relevância pela plataforma.

Se antes gerar um grande volume de conteúdo era um bom negócio para as marcas ocuparem o feed de notícias, agora é melhor apostar em textos e artes mais bem elaboradas, com foco na segmentação e no potencial de engajamento.

Mais que um conteúdo relevante, que o algoritmo percebe por meio das interações dos seguidores, a intenção é que os empreendedores também invistam mais no Facebook, por isso os posts patrocinados agora são o que garantem um melhor desempenho na rede!

Outras boas maneiras de ser considerado relevante é expandir os seus pontos de contato com os usuários, criando um bot para o Messenger ou até estimulando o acesso para novas páginas de conversão.

Criar campanhas periódicas para que as pessoas marquem amigos, compartilhem os posts ou até selecionem a página com a opção “ver primeiro” também são ótimas saídas para agregar destaque, mas lembre-se de que tudo deve ser feito com naturalidade e verdadeira relevância para quem recebe a mensagem!

Quais as peculiaridades do Instagram?

O Instagram possuí padrões bem mais elaborados e que sofrem mudanças mais recorrentes, mas o seu alto potencial de engajamento faz com que os esforços na plataforma sejam muito bem recompensados em sua empresa!

Em termos de alcance, o algoritmo faz com que apenas 10% dos seus seguidores recebam as suas postagens durante o primeiro dia em que ela foi feita. O restante dos usuários só receberá o conteúdo se o desempenho dele nesse primeiro momento for alto.

Para você ter uma noção sobre como o feedback do público é relevante para a rede, comentários que contenham apenas emojis ou um volume muito baixo de caracteres podem ser percebidos como spam e sequer constarem no engajamento.

Mesmo que as hashtags não tenham mais tanta relevância, é recomendada que sejam utilizadas até 5 delas, para que novos internautas interessados no seu segmento eventualmente encontrem aquilo o que você posta.

A grande protagonista é a ferramenta Stories, que é cada vez mais querida entre o grande público e pode agregar índices surpreendentes de crescimento e interação, principalmente se você for capaz de obter respostas dos seus seguidores em até uma hora depois das postagens.

Boas dicas para ser relevante no Instagram, além do investimento em anúncios periódicos pagos e o foco recorrente nas histórias, é criar chamadas para atenção que estimulem comentários ou marcações, assim como responder às interações de maneira recorrente e realizar testes para descobrir em quais horários as pessoas mais comentam em suas postagens.

Que cuidados tomar ao gerir minhas mídias sociais?

Agora que você já sabe quais são as principais características e padrões adotados pelas redes mais populares entre os negócios brasileiros, tenha em mente quais são os seus objetivos com elas e em quais estratégias você investirá para cumprir as suas metas! Contar uma agência de marketing digital, profissionais de social media ou em um time próprio para gerir as suas mídias sociais é fundamental, uma vez que o conteúdo precisa ser qualificado e possuir alto potencial de engajamento.

Não se engane: se você mesmo cuidar da sua página e ela começar a gerar bons resultados em um primeiro momento, trata-se de uma estratégia para que a sua empresa crie o hábito de utilizar determinada plataforma e depois impulsione conteúdo nela.

Após o período inicial, o alcance orgânico médio de uma página no Facebook é de apenas 1%, por isso é importante saber agregar qualidade em uma quantidade menor de posts e investir de forma precisa em impulsionamentos que segmentem e ampliem o público.

Por mais que o Instagram, por exemplo, ainda tenha um bom alcance natural, a tendência é que ele se torne cada vez menor com o tempo. Já o Linkedin, para citar outra rede importante que ainda não mencionei no artigo, valoriza fatores que demonstrem a qualidade e o engajamento do conteúdo, como curtidas em por grandes influencers da plataforma.

Não se esqueça de que esses sistemas estão em constante mutação e que cada plataforma adota o seu próprio padrão, por isso considere a minha abordagem como um ponto de partida para as suas estratégias e nunca siga receitas prontas!

Com tantos detalhes, pode parecer que os algoritmos representam um fator negativo nas redes, mas a verdade é que seria impossível para a sua marca se comunicar com as pessoas certas sem a presença deles.

Gostou de mais essa leva de dicas para a sua empresa? Você já utiliza alguma dessas técnicas? Tem alguma sugestão para completar o assunto? Então deixe o seu comentário e contribua com mais esse tema indispensável no cotidiano dos negócios modernos!

Como achar o freelancer certo para o seu projeto

novembro 14, 2018 in Blog, Empreendedorismo, emprego, Freelancer, Home office

Então você já leu os nossos posts anteriores e percebeu que contratar um freelancer como parceiro do seu projeto é uma ótima pedida, mas agora está em dúvida sobre como achar a pessoa certa.

Não tema, basta manter algumas coisas em mente e saber onde procurar para ter uma experiência legal e enriquecedora. Estamos aqui para ajudar.

Especialização e comprometimento

Se for a primeira vez que você está buscando por um freelancer, você pode se sentir tentado a dar uma grande importância ao fator preço. Cuidado. Embora esse seja um ponto que não podemos ignorar, ele pode acabar desviando o seu foco do que realmente importa.

A sua prioridade deve ser encontrar um profissional especializado e alinhado com o seu projeto. Caso seja uma pessoa comprometida, atenciosa e que respeite prazos, melhor ainda. Isso vai poupar tempo e, sim, dinheiro ao final.

Um freelancer especializado significa segurança e menos estresse para você. O know-how que ele tem na área de interesse é exatamente aquilo que poderá agregar ainda mais valor ao seu projeto e também possibilitará que você aprenda e cresça.

Boas referências e experiência

Após encontrar algumas opções de freelancers com a especialização certa, é hora de checar as referências e as experiências de trabalhos anteriores. Veja o que clientes antigos falam sobre o trabalho desses profissionais  e se eles são pessoas responsáveis, que respeitam prazos e atentam para as diretrizes dadas.

Mas também fique de olha em outra coisa: não basta que o profissional tenha boas referências. Ele precisa ser experiente dentro da área em que você tem interesse. Para isso, é vital que você cheque se ele já fez trabalhos semelhantes ao que você está solicitando e quais foram os resultados. Afinal, o cara pode ser incrível em uma determinada área, mas não ter a menor noção daquilo que você está pedindo.

Adaptabilidade e relacionamento

Mas conhecimento e experiência não são tudo. Você também precisa se certificar que o profissional selecionado seja uma pessoa com quem você goste de trabalhar, que tenha paciência com você, compreenda a importância do seu projeto e esteja disposto a ouvir e a se adaptar às suas necessidades.

Já pensou que inferno contratar um freelancer excelente tecnicamente, mas que não suporta ouvir os seus comentários ou que se recusa a receber suas críticas e apontamentos? Não interessa quão bom ele seja, a coisa não vai avançar.

Lembre-se que o projeto é seu e que o freelancer está vindo para somar. Ele é alguém que deve contribuir com sua expertise e tornar a sua vida mais fácil. Claro que em uma boa relação de serviço todos devem ficar satisfeitos, mas nunca esqueça que você é o contratante. Você deve se sentir seguro e confiante. Caso algum freelancer não transmita essa sensação, não tenha medo de dizer “não” e seguir em frente. Tem muita gente boa no mercado e uma delas com certeza encaixa perfeitamente com você.

A terceirização e os avanços da tecnologia vieram para facilitar a sua jornada. Nunca antes foi tão prático e fácil construir uma equipe de profissionais que trabalhem para transformar a sua ideia em realidade. Mas você precisa estar atento e achar as pessoas certas. Que bom que existe a CROWD, não é?

Conheça o site e encontre o freelancer para o seu projeto certo hoje mesmo.

Infográfico: 4 grandes dificuldades de quem vive de freelas e como superá-las.

outubro 3, 2018 in Blog, Education, Freelancer, Home office

A vida de quem é freelancer possui grandes atrativos e tem tudo a ver com esses novos tempos. Afinal, quem toma esse caminho pode escolher quando e onde trabalhar, desfruta de mais liberdade e consegue criar um maior número de relações comerciais e parcerias.

Mas não vá achando que tudo são flores porque, para prosperar nesse meio, você precisa aprender a lidar com algumas dificuldades. São desafios enfrentados por todo freelancer e que determinam quem realmente irá se destacar e quem vai ficar penando por um longo tempo.

Sendo assim, para ajudar você a deslanchar o mais rápido possível na carreira, separamos algumas das principais dificuldades que todo profissional autônomo enfrenta e damos algumas dicas de como passar por elas.

Definir o que fazer

Tem um monte de gente que, ao optar pelo estilo de vida freelancer, vai logo correndo atrás de qualquer trabalho, sem se importar com a área de atuação. É quase como se a pessoa tivesse sido possuída pelo McGyver.

Não há nada que impeça você de atuar em mais de uma especialidade, mas se isso for exagerado, pode passar uma imagem ruim. Afinal, quem faz de tudo, acaba não sendo bom em nada.

Solução:

O melhor é  identificar aquelas áreas de atuação em que você realmente é fera e pode fazer um trabalho notável. Seus clientes ficarão satisfeitos e a sua reputação vai aumentar.

Definir quanto cobrar

Também não caia no erro de achar que, se cobrar bem baratinho, vai conseguir um monte de serviço. Sim, é verdade que tem muita gente por aí que se preocupa demais com preço, mas um bom profissional entende o valor do seu trabalho. E é esse tipo o que mais se destaca.

Pode ser tentador aceitar trabalhar por um pagamento menor, só para não perder o freela. Mas tenha em mente que isso gera um efeito bola de neve no qual os clientes passam a enxergar cada vez menos valor no que você faz. Cuidado, ok?

Solução:

O que você deve fazer é cobrar de acordo com a sua experiência e qualidade. Faça uma pesquisa de quanto um profissional do seu nível cobra, tanto como autônomo quanto em empresas, e depois calcule quanto é o preço da hora trabalhada. Ajuste tudo isso de acordo com o seu caso específico e pronto, você terá uma ideia de quanto cobrar por hora. Aí é só analisar cada serviço contratado e definir quantas horas você irá demorar para executá-lo.

Disciplina

Quando você atua em uma empresa, você sabe exatamente quando trabalhar e onde. Você tem menos distrações e conta com colegas e gestores direcionando a sua produção. Na vida de freelancer a coisa é diferente.

Como você tem maior liberdade, pode acabar sendo vítima da procrastinação. Aí lá se vão horas preciosas, desperdiçadas nas redes sociais ou em frente à TV.

Solução:  

O segredo para escapar dessa armadilha está na disciplina. Crie uma rotina de trabalho, com horas bem estabelecidas para produção e descanso. Determine um espaço para o seu serviço. Tire o pijama e coloque uma roupa que estimule o estado de espírito certo. Existem métodos bastante interessantes e eficientes para aumentar a sua produtividade, como o Pomodoro e o Smart. Procure um pouco mais sobre eles e teste até encontrar o que se encaixa melhor na sua rotina.

Encontrar clientes

Talvez a maior preocupação de quem pensa em começar a vida de freelancer seja a falta de clientes. Afinal, sem clientes, não há serviço. Sem serviço, não há pagamento.

Solução:

A dica aqui é manter uma boa relação com parceiros com quem você já trabalhou. Procure-os e explique sobre essa nova etapa da sua vida. Caso eles estejam abertos, ofereça os seus serviços e peça para indicarem.

Invista na criação de uma marca pessoal e use o poder da internet para divulga-la. Crie um site ou um perfil em redes sociais. Mostre o que você faz. Aos poucos você começará a alcançar um público maior e a ficar mais conhecido dentro da sua área.

Hoje também existem plataformas que unem pessoas querendo contratar freelancers a profissionais oferecendo serviços, como a CROWD. Elas são ótimas para encontrar clientes e aprimorar suas habilidades, apenas fique de olho naquelas que não valorizam de verdade o seu trabalho.

Procure também se destacar mostrando o seu profissionalismo. Monte o seu portfólio, formalize-se, invista no seu nome, mantenha seus contatos aquecidos. Agora que você é o dono do seu futuro profissional, deve ter uma responsabilidade ainda maior. Mas saiba que tudo isso vale a pena. Ser freelancer é maravilhoso.

Como encarar a falha em um projeto freelance?

setembro 25, 2018 in Blog, Freelancer, Home office

Cometer um deslize no trabalho nunca é fácil. Bate aquela sensação de culpa e logo começamos a duvidar da nossa capacidade. Isso acontece com todo mundo, mas afeta os freelancers de um modo ainda mais forte, já que a nossa maior liberdade também aumenta a responsabilidade.

É preciso tomar cuidado para não cair em uma espiral de estresse e autopunição que podem afetar a produtividade e até mesmo causar uma depressão. Por isso, se você está se cobrando demais devido a algo que deu errado nos seus últimos serviços, mantenha a calma. Respire fundo. Esse texto é pra você.

Eu não me resumo a essa falha

Em primeiro lugar, jamais esqueça que você não é o seu trabalho e muito menos algum erro que tenha cometido, por maior que ele seja. O seu trabalho pode ser parte importante da sua vida, mas você é feito de muito mais que isso e uma eventual falha nesse setor não resume a sua trajetória profissional e, muito menos, a pessoal.

Você é uma pessoa como todas as outras, sujeita a erros e escorregões. Na verdade, é por meio desses erros que você vai aprender de forma mais poderosa. Não existe um freelancer bem-sucedido por aí que já não tenha quebrado a cara muitas vezes antes.

 

Qual foi a minha real responsabilidade?

Analise as etapas do seu processo de trabalho e identifique o que gerou a falha. Há algo que você poderia ter feito para evitá-la? Se não há, é provável que sua causa seja externa, o que indica que você deve melhorar a sua comunicação ou suas parcerias. Por outro lado, se há algo que você poderia ter feito, então assuma a sua parcela de responsabilidade e siga em frente.

Talvez seja uma boa oportunidade para uma conversa com o cliente. Talvez você ache melhor não cobrar pelo serviço. Isso varia muito de profissional para profissional, mas aproveite para mostrar o seu comprometimento. A sinceridade costuma ser muito bem recompensada e são grandes as chances de que o cliente compreenda que você ainda está evoluindo no seu ofício.

 

O que posso aprender com isso?

E falando em evolução, chegamos na melhor parte da falha: o aprendizado. Afinal de contas, nenhum professor é tão bom quanto o erro. O gostinho azedo do erro nos faz lembrar onde escorregamos e serve de alerta para não bobearmos daquela forma novamente.

Após analisar a sua parcela de responsabilidade na falha e entender o que gerou o problema, pense em formas de aprimorar todo o seu processo de trabalho. O que você pode fazer para evitar maus resultados? Quais indícios você percebeu que ocorrem quando algo não está indo bem?

Com o tempo e experiência, você irá desenvolver uma sistemática de trabalho cada vez mais à prova de falhas. Nessa hora você alcançará outro nível na sua carreira, mas, para chegar lá, você terá que errar muitas e muitas vezes. E tudo bem… isso acontece com todos nós.

 

As falhas podem ser uma grande fonte de estresse e ansiedade, mas a melhor maneira de lidar com elas é tentando enxergá-las por outra ótica: como acontecimentos que cedo ou tarde ocorrerão, mas que trarão consigo uma oportunidade de melhoria.

E se você sentir que não está bem e que precisa conversar, saiba que não está sozinho. Visite o site oficial do Setembro Amarelo ou entre em contato. Falar é sempre a melhor solução.

A CROWD apoia essa causa.

Como trabalhar melhor em um home office

agosto 30, 2018 in Blog, Home office

Trabalhar em casa pode parecer um sonho pra muita gente. Só de pensar em não precisar encarar o trânsito, ficar perto da família, usar roupas confortáveis e produzir no conforto do lar já dá aquela animada, não é? Mas quem adotou o home office sabe que as coisas não são bem assim.

Sim, é verdade que há uma série de vantagens em se trabalhar de casa, mas você também precisará enfrentar obstáculos inusitados, que jamais passaram pela sua cabeça enquanto você estava em uma empresa. Afinal, para se dar bem em um home office, você precisa de mais do que um bom computador e uma internet rápida. Confira.

 

Conforto e comodidade… mas sem exageros

Não vamos negar que o trabalho em home office traz comodidades. Sentiu frio? Basta colocar um agasalho ou pegar uma coberta. Está com dor nas costas? Tente umas almofadas na cadeira. O ar condicionado incomoda? Desligue a hora que quiser.

Tudo isso está ao seu alcance e não há mal algum em aproveitar as facilidades domésticas para melhorar o seu nível de conforto. O problema aparece quando você resolve exagerar e perde totalmente o foco do serviço.

Por mais tentador que seja, evite trabalhar deitado na cama ou esparramado no sofá. Não fique de pijama o dia todo. Desligue a TV. Todas essas coisas não condizem com uma postura profissional e, ao ceder a elas, você manda uma mensagem ao seu subconsciente de que o trabalho que tem a fazer não é importante. E, sendo assim, você consegue imaginar o resultado final, não consegue?

 

Mantenha o que você precisa ao alcance

Então você está ali em seu home office, concentrado, trabalhando para um novo cliente, quando de repente sente uma baita sede. Você levanta, vai até a cozinha e serve a si mesmo um copo da água. Enquanto bebe, resolve ligar a TV só um minutinho para ver o que está passando. Muda alguns canais e… ei, é aquele filme que você adora.

Uma hora depois você ainda está com o copo de água na mão, assistindo o maldito filme e com o trabalho parado.

Pois é, isso é mais comum do que parece. Felizmente, há uma solução fácil: mantenha o que precisa ao alcance. Assim, você não precisará sair do seu ambiente de trabalho e não confundirá as horas que possui para produzir com as horas que tem para relaxar. Algumas coisas que deve considerar em manter por perto são:

  • Gaveteiro com material de escritório
  • Cadernos de anotação
  • Livros de consulta
  • Carregador de celular
  • Lista de contatos
  • Frigobar ou garrafas de água
  • Frutas ou outro tipo de lanche rápido
  • Lenços de papel
  • Remédios

Quanto melhor você puder separar o ambiente de trabalho do ambiente doméstico, melhor será para a sua produtividade. Tenha disciplina.

 

Organize-se

Ao trabalhar em casa você será o responsável por organizar a sua vida, o que é uma bênção e uma maldição.

Veja bem, você não terá ninguém conferindo se você está fazendo o seu dever, nenhum superior de olho nos seus horários, nenhum colega reparando na sua roupa ou naquela planta sobre a sua mesa que já precisava de água há uma semana atrás. Isso quer dizer que você é o responsável por tudo no seu dia, do material aos horários, da sua vestimenta até os probleminhas como queda de internet.

Olha só algumas coisas que você pode fazer para tornar a sua experiência mais ordenada:

  • Criar uma rotina
  • Usar uma agenda
  • Separar uns minutos para organização antes e após o dia de trabalho
  • Trabalhar sempre no mesmo horário
  • Usar roupas que estimulem a produção
  • Manter a mesa higienizada
  • Estabelecer períodos para cada atividade
  • Determinar um tempo limite para responder e-mails
  • Ter uma lista de contatos urgentes, como do provedor de internet
  • Fazer pausas para caminhar, relaxar ou pegar um pouco de sol

 

Pode parecer besteira, mas pequenas bagunças, quando acumuladas, possuem o poder de tomar uma grande quantidade de tempo e energia. Sendo assim, invista em organização desde o princípio.

 

Com o avanço da tecnologia, o home office se torna uma tendência mundial cada vez mais forte. Contudo, para que a experiência seja positiva, é preciso entender que, mais do que um computador potente, você precisa da atitude correta. Aí é só curtir a liberdade e o conforto que só o trabalho em casa pode trazer.

contact us