Uma ideia não vale nada sem uma boa execução e muita resiliência

abril 15, 2019 in Blog, Empreendedorismo, Freelancer, marketing

Uma ideia é o começo de uma jornada, mas são as ações tomadas a partir dela que determinam o seu sucesso!

A seguir, vou discorrer mais sobre o assunto, pontuando sobre como o contexto e as ações dos empreendedores são fundamentais para que uma boa ideia realmente tenha valor.

Considere as suas limitações e o seu contexto antes de executar uma ideia

Toda ideia, boa ou ruim, precisa ser colocada no papel, planejada e depois posta em ação para provar o seu valor. Você quer um exemplo?

A Uber existe há mais de 10 anos e, quando começou, não era a grande startup que é hoje. Quando fundado, o aplicativo servia apenas para oferecer caronas no caminho do trabalho ou da faculdade para as pessoas que iam na mesma direção.

Depois transformou-se em um aplicativo premium para chamar carros blacks, no qual você poderia ter a experiência do motorista abrir a porta para você, utilizar carros mais chiques, servir água, disponibilizar balas, etc.

Talvez, no começo, os fundadores da Uber imaginassem chegar onde chegaram, mas o que realmente fez a diferença na trajetória foi a visão de sanar uma necessidade pontual, dentro da realidade e das possibilidades oferecidas em seu meio.

Quando você encontra uma ideia e acredita no seu sucesso, não basta apenas colocá-la no papel e executá-la, é necessário também analisar o contexto e planejar os próximos passos.

Tenha convicção daquilo que você pretende fazer, mas também esteja sempre pronto para agir e seguir diferentes caminhos conforme as demandas exigidas e oportunidades oferecidas pelo meio.

Mantenha a sua convicção, mas saiba quando adaptar seus planos

Dizem que, quando temos uma ideia e começamos a colocá-la em ação, sentimos uma grande motivação, principalmente quando as coisas começam dando certo.

Porém, é no momento que surgem as adversidades e a falta de motivação que precisamos de determinação para lembrar do valor de nossa ideia e o porquê de acreditarmos nela desde o princípio.

Quando apostamos em algo, precisamos entender que o conceito certamente passará por mudanças e que é necessário resiliência para aceitar as novas convicções – e, principalmente, contar com a ajuda de outras pessoas para alcançar o sucesso desejado.

O Spotify já tem mais de 10 anos de mercado. Como conseguiu atingir essa marca?

No início, era apenas uma plataforma P2P que permitia o download de músicas de outros usuários online.

Se hoje a startup virou uma das maiores redes de streaming do mundo, é porque seus planos e ações se adaptaram ao longo do tempo, compreendendo os novos anseios dos consumidores e as novas possibilidades que a tecnologia poderia agregar ao funcionamento do negócio.  

E o Airbnb, conhecem a história?

A empresa surgiu da necessidade de três amigos que precisavam pagar o aluguel do apartamento que moravam e não tinham dinheiro. Aproveitaram que na cidade teria uma conferência e os hotéis estavam lotados para disponibilizar espaços dentro do próprio apartamento para locação. Naquela mesma noite desenvolveram a primeira versão do site.

Streaming? Netflix?

Completando seus 20 anos em 2019, a Netflix surge em 1999 com um serviço de assinatura mensal que oferecia locação ilimitada de DVD’s. Conforme o cliente devolvia os discos, a empresa enviava outros.

Quase dez anos depois, em 2007, a Netflix lança seu serviço de streaming. Em 2013 começa sua produção de conteúdo original, chegando em 2016 com 75 milhões de assinantes.

Não fique parado

Além de todos os exemplos mencionados no artigo, ainda é possível citar dezenas de negócios que começaram debaixo e hoje são referência em sua área, como o iFood, Gympass, Crowd, entre muitos outros.

Claro que nem toda boa ideia é capaz de atingir o patamar de inovação dessas grandes empresas, mas sua capacidade de reconhecer o contexto, determinar ações e adaptá-las conforme o meio as tornam excelentes exemplos de como o conhecimento, o embasamento e, principalmente, a determinação são capazes de nos guiar rumo ao sucesso!

Gostou de mais esse artigo? Tem algo a acrescentar em nossa discussão? Então deixe o seu comentário.

Como montar uma máquina de vendas com o Marketing Digital?

abril 2, 2019 in Blog, Empreendedorismo, Freelancer, marketing

Quando abordamos a importância de bons trabalhos de divulgação para a venda de produtos ou serviços, nenhum tema é tão mencionado nos dias de hoje quanto o marketing digital.

Vivemos na era da informação e, cada vez mais, as interações que mantemos na internet se misturam e passam a efetivamente fazer parte de nossa rotina, seja pessoal ou profissional.

Nesse cenário, é natural que as marcas queiram se posicionar nos meios online para agregar mais relevância, mas esse tipo de trabalho exige boas estratégias e muito conhecimento!

A seguir, vou falar mais sobre o tema, abordando a visão que muitos têm do marketing digital e quais, de fato, precisam ser os seus verdadeiros focos.

Quais ideias sobre marketing digital precisam ser desmistificadas?

É normal que, com a popularização das plataformas online, cada vez mais empresas procurem por meios de divulgar as suas marcas na web, mas é preciso estar atento às peculiaridades de cada meio e estratégia de comunicação.

Muitos acreditam, por exemplo, que é possível estabelecer uma boa gestão de redes sociais sem o apoio de uma agência de marketing ou de um social media interno.

Essa percepção vem da suposta facilidade que esse tipo de tecnologia oferece aos usuários, que estão acostumados a fazer uso pessoal de suas ferramentas.

É preciso ter em mente, porém, que existem algoritmos específicos que comandam a relevância dos perfis comerciais e muitas outras questões que não geram os resultados adequados sem o devido conhecimento na área, como impulsionamentos, determinação de horários para postagens, interações, etc.

Além de prezar pelo profissionalismo em suas divulgações, também é importante se ater às práticas que realmente sejam alinhadas com o seu segmento e façam sentido em relação aos objetivos do seu negócio.

Quando um novo termo está em alta, como é o caso do Inbound Marketing, por exemplo, é comum que muitos empreendedores logo queiram migrar as suas estratégias para a técnica “do momento”, mas um bom planejamento precisa avaliar, antes de mais nada, se essa seria realmente uma boa escolha.

Ainda no caso do Inbound, com qual tipo de conteúdo sua empresa se posicionaria na web? Que tipo de solução o seu público buscaria? Qual o perfil provável de leads que seria capturado com o seu discurso? É possível orientá-los ao comportamento desejado de compra?

Aqui, dei apenas o exemplo das redes sociais de do marketing de conteúdo, mas seria possível citar inúmeras outras situações, pois todas exigem uma análise direcionada para que seja estabelecido um planejamento realmente efetivo!

Como determinar os focos de uma boa campanha?

Conforme eu abordei em um de meus artigos anteriores sobre Inbound, para garantir relevância no cenário online, que é extremamente competitivo em termos de atenção, é preciso antes oferecer exatamente o conteúdo que o público deseja consumir.

Um bom site, que geralmente é o primeiro passo para uma estratégia de marketing digital, tradicionalmente é visto como um simples catálogo comercial online, mas a visão sobre as ferramentas disponíveis precisa ir além!

Através do website, é possível alimentar um blog com conteúdo otimizado, por exemplo, para que as informações compartilhadas possam aparecer com mais facilidade no Google.

Ao oferecer as soluções para as dores dos potenciais consumidores, sua marca não será apenas melhor percebida, mas também terá a possibilidade de recolher leads.

Ao mesmo tempo, as redes sociais podem ajudar a retroalimentar o blog e ainda fortalecer a interação com os usuários, através de respostas personalizadas ou ações pontuais de interação.

Quanto mais próximas as pessoas se sentirem de sua empresa, mais efetiva será a sua estratégia.

Um bom exemplo é a criação de vídeos com depoimentos de clientes, que servem para criar empatia com outros consumidores, demonstrar algumas funções ou utilidades do produto em questão e ainda validar a satisfação prometida pela marca.  

É claro que esse exemplo geral que acabei de descrever não se trata de uma regra e que as estratégias podem variar muito de acordo com o perfil de cada negócio, mas ele serve para demonstrar como os objetivos devem estar claros e as mídias devem ser mutuamente retroalimentadas.

Como transformar o público-alvo em consumidores?

Para que as mídias e as estratégias que mencionei brevemente no item anterior realmente façam sentido e induzam o público-alvo para o comportamento de compra, os esforços de marketing digital devem estabelecer uma relação natural e progressiva com cada indivíduo!

Compreender as etapas do funil de vendas e suas respectivas estratégias é fundamental para isso, em que internautas situados no topo do funil, ou seja, menos familiarizados com o seu segmento, tenham acesso a informações úteis e atraentes sobre as suas soluções, para que sejam guiados até temas mais específicos e direcionados às suas fendas, nas fases do meio e do fundo do funil.

Vamos supor, por exemplo, que você queira lançar um software para gestão de empresas!

No topo do funil, você deve produzir textos, posts, vídeos, entre outros conteúdos de fácil acesso para demonstrar a importância desse tipo de ferramenta e como ela pode trazer mais lucro para as empresas.

Já no meio do funil, é hora de partir do pressuposto que o público qualificado já tem conhecimento sobre o assunto que você aborda e passar a aprofundá-lo.

Além de trabalhar com as mídias citadas anteriormente, nessa fase é importante qualificar o público para uma segmentação ainda mais assertiva. Sendo assim, após um blogpost, por exemplo, você pode fornecer um material rico como um ebook. O pressuposto do internauta seria um cadastro, que lhe possibilitará obter informações completas para o seu time de vendas.

No fundo do funil, você já sabe tudo sobre as pessoas para quem deseja vender e pode trabalhar com mídias mais específicas! Oferecer um contato direto com o time de vendas, compartilhar vídeos com depoimentos de clientes satisfeitos ou ainda lançar guias para soluções de problemas são excelentes exemplos para essa fase.

Ao procurar por uma agência de marketing, certifique-se de que o perfil do seu público será devidamente avaliado e traçado, que o comportamento esperado para esse público seja claro e que as ações estipuladas para essa finalidade estejam bem embasadas de acordo com as suas características e os seus objetivos!

E você, já divulga a sua marca online? Ficou com alguma dúvida sobre o tema ou tem alguma experiência que deseja compartilhar conosco? Então deixe o seu comentário.

Veja como o uso frequente de serviços como Uber, Netflix, Spotify, WhatsApp vem tornando todos mais ansiosos!

março 29, 2019 in Bem-estar, Blog, Empreendedorismo, Freelancer, marketing

Nós estamos vivendo a era do imediatismo.

Por mais que as facilidades e o dinamismo da vida moderna possam nos agregar uma série de benefícios cotidianos que eram inimagináveis até alguns anos atrás, também existem outros pontos importantes que não podem ser ignorados.

Um desses pontos é a ansiedade, considerada por muitos especialistas como o mal desse século! Será?

Segundo um estudo da Organização Mundial da Saúde, realizado em 2018, o Brasil é líder entre os países que mais manifestam o problema, que já compromete a saúde de quase 10% de toda a população.

Serviços como o Rappi, Netflix, Spotify, Whatsapp, Uber entre muitos outros, de fato, conseguem entregar aquilo o que queremos no momento que mais desejamos. Esses serviços são utilizados com alta frequência e isso deixa o usuário mal acostumado. O que isso significa? O serviço que for mais rápido  será o escolhido.

A seguir, vou falar um pouco mais sobre como a ansiedade afeta tanto os consumidores quanto os empreendedores. Além dos meios que podem ser utilizados para se adaptar a essa realidade e ainda gerar oportunidades!

Quais as características do imediatismo moderno?

Comece esse raciocínio observando o número de emails da sua caixa de entrada. Ele deve estar diminuindo. Em contrapartida, a quantidade de mensagens no seu WhatsApp está aumentando. Isso acontece graças a necessidade das pessoas de fazerem duas coisas ao mesmo tempo. Quando alguém está ocupado com alguma atividade, é normal recorrer ao áudio do WhatsApp, por exemplo, para fazer duas coisas simultaneamente e otimizar seu tempo.

Se antes você comprava em um site de supermercado e tinha que esperar dias até que sua compra fosse entregue, hoje você pode pedir para um Rappi buscar os produtos selecionados e, dentro de horas, a mercadoria está em sua casa.

A animação de chegar em casa e ver que o filme que você tanto quer assistir está prestes a ir ao ar, abriu espaço para os serviços de streaming que permitem que você veja filmes e séries na hora que quiser. Sem contar as operadoras de televisão, que hoje entregam serviços de reprise de filmes já em exibição nos canais, catálogo para compra e agendamento de gravação do seu programa preferido.

As empresas do século XXI vêm alterando radicalmente o comportamento dos consumidores e isso afeta todas empresas criadas anteriormente de modo que elas são forçadas a se adequarem ao novo comportamento, a fim de se manterem vivas.

Ao mesmo tempo, essa ansiedade também afeta quem empreende pois, como você já deve ter ouvido falar, empreender exige consistência e longo prazo. Eu vejo muitas pessoas abrindo mão da vida corporativa para empreender, mas sem ter paciência o suficiente para esperar o tempo necessário até que as coisas aconteçam. Isso se dá por conta do imediatismo: se em um ano a empresa não decolar e apresentar ótimos resultados, o empreendedor já se convence de que a ideia não era tão boa assim.

Não há dúvidas de que vivemos em tempos de urgência e essas mudanças podem afetar a ansiedade. Caso você pense em empreender ou já tenha seu negócio, é importante entender esse novo comportamento do consumidor para entregar um serviço ou produto relevante a esse novo cenário.

Tenha disciplina, paciência e consistência a longo prazo para gerir a sua empresa

É fato que, por conta da comodidade oferecida, serviços cada vez mais revolucionários vão surgir e, em pouco tempo, a realidade dos produtos e serviços como os conhecemos será revolucionada novamente.

Enquanto consumidor, o mercado se molda cada vez mais dentro do aspecto imediatista e não podemos julgar como algo ruim. Afinal, otimização de tempo é um objetivo que todos almejam. Quando antes ouvíamos “meu dia precisa de mais 24 horas para fazer tudo”, hoje podemos dizer que precisamos apenas de mais agilidade nos serviços.

Os empreendedores, por sua vez, devem compreender e se adequar ao mercado. O futuro que antes acreditávamos estar longe, na verdade chega cada vez mais rápido. Investir em tecnologia, inovação e no que os consumidores querem é o segredo para você adequar, moldar ou criar uma empresa próspera.

E você, gostou de mais esse texto? Tem alguma observação para contribuir com a nossa discussão? Então deixe o seu comentário e não perca o conteúdo da próxima semana.

O Inbound Marketing é indispensável na era digital!

março 19, 2019 in Blog, Empreendedorismo, Freelancer, marketing

Em tempos de informação maciça e canais difusos de comunicação, os antigos paradigmas de marketing que consistiam em ofertar um produto diretamente para determinado público-alvo, já não são suficientes para impulsionar as vendas.

Partindo do pressuposto de que os consumidores contemporâneos são extremamente bem informados e buscam por conta própria informações e bens que lhe interessam, a ideia de Inbound Marketing surgiu para posicionar as marcas de maneira natural e não intrusiva durante o processo de compra.

A seguir, vou falar mais sobre esse conceito, descrevendo as suas principais etapas e demonstrando como elas podem ser decisivas no processo de conquista e fidelização de novos compradores!

Entenda o conceito de funil de vendas

Em poucas palavras, a ideia do Inbound Marketing é gerar conteúdo personalizado para que os próprios consumidores, voluntariamente, procurem pelo discurso de determinada marca e, naturalmente, tornem-se consumidores dela.

Para que isso seja possível, porém, é preciso compreender em qual fase de interesse os compradores em potencial estão em relação ao produto ou serviço ofertado.

Sendo assim, ao determinar qual tipo de conteúdo será compartilhado para o público, as estratégias de Inbound consideram três etapas de interesse, em uma jornada conhecida como “Funil de Compras”.

No Topo do Funil está o público em geral, que normalmente está pouco familiarizado com o segmento e não conhece exatamente quais as soluções ideais para sanar as suas dores e busca por maiores informações sobre aquilo que precisa.

Essa é a fase em que o conteúdo deve ser mais generalista, considerando que a maior necessidade é informar o público e guiá-lo até um interesse comum ao de sua empresa. Esse não é o momento para apresentar aquilo o que de fato você vende, pois uma oferta afastaria o interesse despertado.

Depois de informar os seus potenciais compradores, é hora de considerar um certo grau de instrução dos leitores e gerar um tipo de conteúdo mais aprofundado, que trate sobre questões específicas sobre o tema que você está abordando, na fase conhecida como Meio do Funil.

Se você vende um software de gestão empresarial, por exemplo, o Topo do Funil deve falar sobre como esse tipo de sistema é importante para as empresas contemporâneas, enquanto o Meio do Funil deve trazer questões mais específicas, como as maneiras mais eficientes de otimizar a gestão através de um bom software.

O Fundo do Funil, por fim, é o espaço para abranger o seu produto ou serviço especificamente, demonstrando como ele é capaz de resolver as dores dos seus consumidores em potencial. No exemplo do sistema, essa fase traria dicas sobre como utilizá-lo, cases de sucesso, sugestões para otimizar os resultados através dele, entre outras questões relacionadas.

Transforme visitantes em potenciais consumidores

Para que o conteúdo gerado nas fases anteriores seja realmente eficiente, é preciso gerir corretamente os internautas que têm acesso ao seu conteúdo.

No Topo do Funil do conteúdo de um blog, por exemplo, é indicado solicitar que os leitores assinem uma newsletter para que se mantenham mais informados ou ainda ofertar um material rico, como um ebook, para que saibam ainda mais sobre o assunto.

Em casos como esses, o pressuposto para disponibilizar o conteúdo é um cadastro, que automaticamente possibilita que o indivíduo faça parte do seu banco de dados e, assim, sua gestão possa acompanhar toda a sua jornada de descoberta!

O importante é fazer com que os seus diversos canais conversem entre si. As redes sociais, por exemplo, podem criar excelentes divulgações para o seu blog. O blog, por sua vez, pode guiar os acessos até vídeos interativos, ou landing pages, e assim por diante.

Tenha em mente que o seu conteúdo precisa se retroalimentar, até que o potencial consumidor em questão, aqui tratado como lead, chegue ao fundo do funil, onde a sua proposta se tornará, de fato, uma oferta de compra, um agendamento com um vendedor, uma visita com um representante ou algo relacionado.

Qualifique o seu público e gere conteúdo personalizado

Despertar o interesse das pessoas, guiá-las até níveis mais profundos da discussão e, por fim, apresentar uma solução comercial para os seus problemas: essa é a proposta de uma boa estratégia de Inbound Marketing!

Aqui, abordei o tema de maneira bastante teórica, sem mencionar os pormenores das estratégias que realmente induzem os internautas a um comportamento de compra.

Nesse meio, além das mídias já mencionadas, uma infinidade de ferramentas pode ser incluída, como disparadores de e-mail marketing, chatbots, CTAs personalizados, entre outras.

Felizmente, as agências especializadas no tema só crescem, o que, consequentemente, também aumenta a concorrência pela atenção dos consumidores nesse tipo de estratégia.

Mais do que dominar os sistemas mais prestigiados no meio, como HubSpot, RD Station, entre outros, é importante compreender a mente do consumidor e os caminhos necessários para persuadi-lo, pois só assim é possível guiar ações efetivas de uma equipe de Inbound!

E você, já está familiarizado com esse tema? Ficou com alguma dúvida ou tem algo a acrescentar em nossa discussão? Então deixe o seu comentário e continue acompanhando os meus artigos aqui no Linkedin.

Como o uso de influenciadores pode beneficiar a imagem da minha empresa?

fevereiro 21, 2019 in Blog, Empreendedorismo, Freelancer, marketing

 

A ideia de utilizar pessoas com influência entre o grande público para promover determinados produtos ou serviços não é nova!

Seja em anúncios televisivos, impressos, na rádio ou em diversas outras mídias tradicionais, passamos toda a vida acostumados e nos deparar com atores, músicos, apresentadores, entre outras personalidades agregando o valor de sua imagem à determinada marca.

Com o advento da internet e a rápida popularização do conteúdo online, essa realidade se tornou ainda mais presente, porém, com algumas diferenças extremamente marcantes.

A seguir, vou falar mais sobre essas peculiaridades e quais são as melhores formas de utilizar um digital influencer na promoção da sua empresa. Confira!  

Qual o perfil dos influenciadores atuais?

Por ser um conceito relativamente antigo e familiar a todos, muitos empreendedores acreditam que o simples uso de pessoas influentes é o suficiente para garantir resultados em uma divulgação, mas a lógica não é assim tão simples.

Um ator famoso de uma novela, por exemplo, poderia até ser uma boa referência de marketing para um grande número de empresas anos atrás, pois a televisão ainda era uma das únicas mídias disponíveis.

Essa realidade fazia com que existisse um número muito menor de influenciadores realmente efetivos, mas seu alcance, porém, era extremamente mais amplo entre as pessoas e a mensagem compartilhada soava muito mais robusta.

Hoje em dia, com o poder de informação dos consumidores, a palavra de alguém influente, por si só, não basta para induzir um comportamento de compra.

Se antes, para que um item fosse especial, bastasse que ele fosse utilizado por indivíduos especiais, hoje é preciso demonstrar com clareza o seu alinhamento com as necessidades de determinado segmento!

Por mais que existam infinitos youtubers, instagramers, blogueiros, entre outros influenciadores conectados que possam ser contratados para divulgar uma marca, antes é preciso ter em mente que ele se comunica com um público extremamente específico.

Nas mídias tradicionais e de grande alcance, a lógica ainda é a mesma, pois, por mais que o apresentador do programa de domingo à tarde ainda possua uma influência de fala gigantesca, ela ainda será limitada pelo nicho de entretenimento em que ele atua!

Em poucas palavras: se antigamente era caro e difícil contratar um influenciador, atualmente eles são abundantes e extremamente difusos entre diferentes nichos.

No primeiro caso, o impacto da mensagem era mais abrangente e persuasivo, enquanto o segundo exige uma análise precisa de segmentação e um discurso mais persuasivo, demonstrando claramente quais são as vantagens de determinada marca e porque o influencer em questão a utiliza.

Como obter os melhores resultados com um influenciador?

Agora que você já sabe quais são as peculiaridades em contratar um influenciador nos dias atuais, vou abordar alguns pontos básicos que você precisa analisar antes de iniciar a sua campanha!

Para escolher o influenciador certo para a sua campanha, primeiro faça uma pesquisa sobre a sua audiência, seu comportamento e qual conteúdo é consumido e compartilhado entre ela.

Uma boa dica nessa fase de avaliação é realizar uma pesquisa junto à sua base, perguntando quanto tempo ela passa na internet por dia, quais redes utiliza, que grupos ou canais acompanha, quais sites visita regularmente, entre outras questões relacionadas.

No caso dos influenciadores, aborde quais são os assuntos que eles mais falam, o nível de engajamento com os seus seguidores, a penetração da sua marca no nicho em que eles atuam e, claro, se o valor praticado realmente condiz com os resultados que você espera obter após a análise!

Com todas essas questões em mente e o influencer definido para a sua campanha, não se esqueça de alinhar o formato da divulgação aos resultados esperados para o marketing.

Se o objetivo for aumentar a notoriedade e o branding, por exemplo, o melhor é negociar um review ou até mesmo um presente, para que o influenciador avalie a sua experiência com o produto.

Já se o caso for levar mais pessoas para o seu site ou aumentar o volume de interações nas redes sociais, uma ação promocional pode ser uma boa pedida, seja na promoção de concursos ou até no compartilhamento de novidades. Em casos de necessidade de lançar um produto ou aumentar as vendas, procure trabalhar com tags ou até realizar promoções especiais.

Não importa qual seja a lógica ou a situação: o importante, como mencionei, é adequar a sua mensagem à mesma utilizada pelo influenciador e promover uma experiência que realmente demonstre o valor agregado na sua marca!

Se você tem um supermercado, faça com que o influencer o visite, registre suas compras, ensine uma receita. Se você tem uma marca de roupas, pela para que ele use, crie reviews, fale de sua qualidade. Se você tem um plano de assinaturas, ofereça para ele e peça para que ele compartilhe suas experiências ao longo do tempo. O importante é sempre agregar mais valor ao que você oferece.

Gostou de mais essa leva de dicas? Você trabalha com algum influenciador para divulgar a sua marca? Ficou com alguma dúvida sobre o assunto? Então deixe o seu comentário.

Como achar o freelancer certo para o seu projeto

novembro 14, 2018 in Blog, Empreendedorismo, emprego, Freelancer, Home office

Então você já leu os nossos posts anteriores e percebeu que contratar um freelancer como parceiro do seu projeto é uma ótima pedida, mas agora está em dúvida sobre como achar a pessoa certa.

Não tema, basta manter algumas coisas em mente e saber onde procurar para ter uma experiência legal e enriquecedora. Estamos aqui para ajudar.

Especialização e comprometimento

Se for a primeira vez que você está buscando por um freelancer, você pode se sentir tentado a dar uma grande importância ao fator preço. Cuidado. Embora esse seja um ponto que não podemos ignorar, ele pode acabar desviando o seu foco do que realmente importa.

A sua prioridade deve ser encontrar um profissional especializado e alinhado com o seu projeto. Caso seja uma pessoa comprometida, atenciosa e que respeite prazos, melhor ainda. Isso vai poupar tempo e, sim, dinheiro ao final.

Um freelancer especializado significa segurança e menos estresse para você. O know-how que ele tem na área de interesse é exatamente aquilo que poderá agregar ainda mais valor ao seu projeto e também possibilitará que você aprenda e cresça.

Boas referências e experiência

Após encontrar algumas opções de freelancers com a especialização certa, é hora de checar as referências e as experiências de trabalhos anteriores. Veja o que clientes antigos falam sobre o trabalho desses profissionais  e se eles são pessoas responsáveis, que respeitam prazos e atentam para as diretrizes dadas.

Mas também fique de olha em outra coisa: não basta que o profissional tenha boas referências. Ele precisa ser experiente dentro da área em que você tem interesse. Para isso, é vital que você cheque se ele já fez trabalhos semelhantes ao que você está solicitando e quais foram os resultados. Afinal, o cara pode ser incrível em uma determinada área, mas não ter a menor noção daquilo que você está pedindo.

Adaptabilidade e relacionamento

Mas conhecimento e experiência não são tudo. Você também precisa se certificar que o profissional selecionado seja uma pessoa com quem você goste de trabalhar, que tenha paciência com você, compreenda a importância do seu projeto e esteja disposto a ouvir e a se adaptar às suas necessidades.

Já pensou que inferno contratar um freelancer excelente tecnicamente, mas que não suporta ouvir os seus comentários ou que se recusa a receber suas críticas e apontamentos? Não interessa quão bom ele seja, a coisa não vai avançar.

Lembre-se que o projeto é seu e que o freelancer está vindo para somar. Ele é alguém que deve contribuir com sua expertise e tornar a sua vida mais fácil. Claro que em uma boa relação de serviço todos devem ficar satisfeitos, mas nunca esqueça que você é o contratante. Você deve se sentir seguro e confiante. Caso algum freelancer não transmita essa sensação, não tenha medo de dizer “não” e seguir em frente. Tem muita gente boa no mercado e uma delas com certeza encaixa perfeitamente com você.

A terceirização e os avanços da tecnologia vieram para facilitar a sua jornada. Nunca antes foi tão prático e fácil construir uma equipe de profissionais que trabalhem para transformar a sua ideia em realidade. Mas você precisa estar atento e achar as pessoas certas. Que bom que existe a CROWD, não é?

Conheça o site e encontre o freelancer para o seu projeto certo hoje mesmo.

Posso ter um emprego tradicional e também ser freelancer?

outubro 9, 2018 in Blog, emprego, Freelancer, Uncategorized

É verdade que muita gente acaba entrando no mundo dos freelas por causa da dificuldade em encontrar um emprego em meio a essa crise. Mas também há um número cada vez maior de pessoas já empregadas que deseja sair do mercado tradicional e abraçar uma vida mais independente. Só que aí entra aquele medo da mudança e o receio de se arrepender. O que fazer?

Comece aos poucos

Calma. Você não precisa jogar tudo pro alto e largar o seu emprego de anos para entrar no meio freelancer. É perfeitamente possível conciliar o seu trabalho tradicional com algumas atividades autônomas e aí, aos poucos, ver se esse caminho é mesmo pra você.

Defina alguns serviços que pode fazer fora do horário de expediente e procure pelo seu primeiro cliente. Não tente abraçar nada muito complexo nesse início. O objetivo não é ficar rico, mas complementar a sua renda e sentir a experiência. Conforme for ficando mais à vontade, aí sim pode alçar voos mais altos.

De qualquer forma, vale atentar para alguns conselhos: seja sempre muito honesto com todas as partes envolvidas, fique atento aos prazos e não misture um trabalho com o outro, ok?

Não se sobrecarregue

Uma jornada dupla de trabalho não é para qualquer um e nem mesmo é recomendada. Afinal, não é porque você possui algumas horas livres todos os dias após o expediente que você deve preenchê-las com mais trabalho. Esse é o caminho mais rápido para o estresse.

O bom planejamento será o seu melhor amigo nesse caso. Uma rotina organizada ajudará você a não perder tempo e a entender exatamente qual é o período aceitável para concluir cada tarefa. Estabeleça um horário exclusivo para os seus freelas e se atenha a ele. Na maior parte das vezes não vale a pena sacrificar suas noites de sono só pra não perder um projeto.

Avalie os prós e contras de cada lado

Caso perceba que a procura pelos seus serviços está aumentando, aí será a hora de diminuir os turnos no emprego tradicional ou até mesmo de fazer uma transição completa. Mas não sem refletir muito bem, antes.

Preste atenção em como se sente no emprego e na hora do freela. Qual traz mais prazer e satisfação pessoal? Esse fator, ainda mais do que o dinheiro, será um grande indicativo da direção a seguir.

Outra coisa que você deve avaliar é a questão da liberdade da carreira freelancer. Ela se encaixa com a sua personalidade ou você descobriu que necessita de horários e estruturas mais rígidas para funcionar? Lembre-se que com maior liberdade também vem muito mais responsabilidade.

É claro que o aspecto financeiro também é importante e deve ser levado em conta. Os projetos autônomos estão trazendo maiores rendimentos? Há espaço para crescimento?  Você consegue lidar com as inseguranças de não ter um salário fechado todo mês? Se sim, não há dúvidas que a vida freelancer é pra você.

Ser o dono da própria carreira e definir o seu futuro profissional é um dos grandes atrativos do estilo de vida freelancer. Se você sente que o seu caminho passa por aí, mas tem alguma insegurança em sair do mercado de trabalho tradicional, então comece devagar. Use a CROWD para conseguir o seu primeiro projeto e cresça com a gente.

Infográfico: 4 grandes dificuldades de quem vive de freelas e como superá-las.

outubro 3, 2018 in Blog, Education, Freelancer, Home office

A vida de quem é freelancer possui grandes atrativos e tem tudo a ver com esses novos tempos. Afinal, quem toma esse caminho pode escolher quando e onde trabalhar, desfruta de mais liberdade e consegue criar um maior número de relações comerciais e parcerias.

Mas não vá achando que tudo são flores porque, para prosperar nesse meio, você precisa aprender a lidar com algumas dificuldades. São desafios enfrentados por todo freelancer e que determinam quem realmente irá se destacar e quem vai ficar penando por um longo tempo.

Sendo assim, para ajudar você a deslanchar o mais rápido possível na carreira, separamos algumas das principais dificuldades que todo profissional autônomo enfrenta e damos algumas dicas de como passar por elas.

Definir o que fazer

Tem um monte de gente que, ao optar pelo estilo de vida freelancer, vai logo correndo atrás de qualquer trabalho, sem se importar com a área de atuação. É quase como se a pessoa tivesse sido possuída pelo McGyver.

Não há nada que impeça você de atuar em mais de uma especialidade, mas se isso for exagerado, pode passar uma imagem ruim. Afinal, quem faz de tudo, acaba não sendo bom em nada.

Solução:

O melhor é  identificar aquelas áreas de atuação em que você realmente é fera e pode fazer um trabalho notável. Seus clientes ficarão satisfeitos e a sua reputação vai aumentar.

Definir quanto cobrar

Também não caia no erro de achar que, se cobrar bem baratinho, vai conseguir um monte de serviço. Sim, é verdade que tem muita gente por aí que se preocupa demais com preço, mas um bom profissional entende o valor do seu trabalho. E é esse tipo o que mais se destaca.

Pode ser tentador aceitar trabalhar por um pagamento menor, só para não perder o freela. Mas tenha em mente que isso gera um efeito bola de neve no qual os clientes passam a enxergar cada vez menos valor no que você faz. Cuidado, ok?

Solução:

O que você deve fazer é cobrar de acordo com a sua experiência e qualidade. Faça uma pesquisa de quanto um profissional do seu nível cobra, tanto como autônomo quanto em empresas, e depois calcule quanto é o preço da hora trabalhada. Ajuste tudo isso de acordo com o seu caso específico e pronto, você terá uma ideia de quanto cobrar por hora. Aí é só analisar cada serviço contratado e definir quantas horas você irá demorar para executá-lo.

Disciplina

Quando você atua em uma empresa, você sabe exatamente quando trabalhar e onde. Você tem menos distrações e conta com colegas e gestores direcionando a sua produção. Na vida de freelancer a coisa é diferente.

Como você tem maior liberdade, pode acabar sendo vítima da procrastinação. Aí lá se vão horas preciosas, desperdiçadas nas redes sociais ou em frente à TV.

Solução:  

O segredo para escapar dessa armadilha está na disciplina. Crie uma rotina de trabalho, com horas bem estabelecidas para produção e descanso. Determine um espaço para o seu serviço. Tire o pijama e coloque uma roupa que estimule o estado de espírito certo. Existem métodos bastante interessantes e eficientes para aumentar a sua produtividade, como o Pomodoro e o Smart. Procure um pouco mais sobre eles e teste até encontrar o que se encaixa melhor na sua rotina.

Encontrar clientes

Talvez a maior preocupação de quem pensa em começar a vida de freelancer seja a falta de clientes. Afinal, sem clientes, não há serviço. Sem serviço, não há pagamento.

Solução:

A dica aqui é manter uma boa relação com parceiros com quem você já trabalhou. Procure-os e explique sobre essa nova etapa da sua vida. Caso eles estejam abertos, ofereça os seus serviços e peça para indicarem.

Invista na criação de uma marca pessoal e use o poder da internet para divulga-la. Crie um site ou um perfil em redes sociais. Mostre o que você faz. Aos poucos você começará a alcançar um público maior e a ficar mais conhecido dentro da sua área.

Hoje também existem plataformas que unem pessoas querendo contratar freelancers a profissionais oferecendo serviços, como a CROWD. Elas são ótimas para encontrar clientes e aprimorar suas habilidades, apenas fique de olho naquelas que não valorizam de verdade o seu trabalho.

Procure também se destacar mostrando o seu profissionalismo. Monte o seu portfólio, formalize-se, invista no seu nome, mantenha seus contatos aquecidos. Agora que você é o dono do seu futuro profissional, deve ter uma responsabilidade ainda maior. Mas saiba que tudo isso vale a pena. Ser freelancer é maravilhoso.

Como escolher o freelancer ideal

outubro 2, 2018 in Blog, emprego, Freelancer

É cada vez mais comum que empresas e agências contratem profissionais terceirizados para as mais diversas funções. Isso acontece porque, ao contar com freelancers, é possível economizar recursos e também alcançar resultados de maneira mais rápida.

Não é à toa que essa onda não para de crescer e talvez você esteja querendo surfar nela também. Mas atenção, embora o mundo freelancer realmente tenha muitas vantagens, é preciso tomar alguns cuidados para não se arrepender depois.

 

Saiba muito bem o que você procura

Antes de falar com qualquer profissional autônomo, tenha muito claro aquilo que você procura e quais são os seus objetivos. Saiba que o tempo de um freelancer é o seu ativo mais valioso e, se ele precisar de horas apenas para entender o seu projeto, é provável que ele não se interesse pela parceria.

Jobs claros, estruturados, com objetivos e prazos bem delimitados são o céu para os profissionais experientes. Eles olharão para o seu caso com muito mais carinho, serão mais rápidos na entrega e mais assertivos também.

Saiba o que quer para poupar tempo e dinheiro. Tanto pra você, quanto para o freelancer.

 

Analise o histórico, referências e também o comportamento

Ao conversar com um possível parceiro freelancer, pergunte sobre experiências anteriores, peça referencias e avalie o trabalho. Qualquer profissional sério terá um portfólio pronto para apresentar, por isso, não se sinta constrangido em pedir.

Analise tudo com calma e veja se o freelancer possui todos os requisitos que você julga necessários, mas não pare por aí. Observe também a forma como o profissional se comporta.Ele é organizado? Respondeu aos e-mails no prazo? Mostrou compreensão do assunto e interesse no serviço? Lembre-se que alguém que se atrasa para uma entrevista online provavelmente também atrasará a entrega do trabalho.

Um bom freelancer não deve apenas ser competente tecnicamente, mas também responsável, honesto e acessível.

 

Comece com um projeto-teste menor

Você falou com alguns candidatos e identificou um que se encaixa como uma luva no seu projeto? Excelente, mas nada de colocar a carroça na frente dos bois.

Antes de solicitar um job de grande complexidade e valor ao freelancer escolhido, tente iniciar a relação com um serviço mais simples e menos importante. Desse modo, caso algo dê errado, os seus danos serão mínimos e você ainda terá tempo de correr atrás de um substituto.

Durante esse período de teste, fique atento a alguns sinais que serão um claro indicativo de sucesso, como: boa compreensão do projeto, respeito aos prazos, transparência e relatórios constantes e de fácil compreensão. Claro que, se além disso tudo ainda houver simpatia, melhor ainda.

O mercado freelancer conta com profissionais extremamente capacitados e que adotaram esse estilo de vida por opção. Não há motivos para  insegurança, desde que você fique atento a alguns detalhes importantes.

A CROWD nasceu justamente para ajudar empresas e profissionais nessa nova era do trabalho. Acesse o site, leio o blog e entre em contato. Temos tudo o que você precisa para iniciar uma parceria de sucesso com os melhores freelancers do Brasil.

Como encarar a falha em um projeto freelance?

setembro 25, 2018 in Blog, Freelancer, Home office

Cometer um deslize no trabalho nunca é fácil. Bate aquela sensação de culpa e logo começamos a duvidar da nossa capacidade. Isso acontece com todo mundo, mas afeta os freelancers de um modo ainda mais forte, já que a nossa maior liberdade também aumenta a responsabilidade.

É preciso tomar cuidado para não cair em uma espiral de estresse e autopunição que podem afetar a produtividade e até mesmo causar uma depressão. Por isso, se você está se cobrando demais devido a algo que deu errado nos seus últimos serviços, mantenha a calma. Respire fundo. Esse texto é pra você.

Eu não me resumo a essa falha

Em primeiro lugar, jamais esqueça que você não é o seu trabalho e muito menos algum erro que tenha cometido, por maior que ele seja. O seu trabalho pode ser parte importante da sua vida, mas você é feito de muito mais que isso e uma eventual falha nesse setor não resume a sua trajetória profissional e, muito menos, a pessoal.

Você é uma pessoa como todas as outras, sujeita a erros e escorregões. Na verdade, é por meio desses erros que você vai aprender de forma mais poderosa. Não existe um freelancer bem-sucedido por aí que já não tenha quebrado a cara muitas vezes antes.

 

Qual foi a minha real responsabilidade?

Analise as etapas do seu processo de trabalho e identifique o que gerou a falha. Há algo que você poderia ter feito para evitá-la? Se não há, é provável que sua causa seja externa, o que indica que você deve melhorar a sua comunicação ou suas parcerias. Por outro lado, se há algo que você poderia ter feito, então assuma a sua parcela de responsabilidade e siga em frente.

Talvez seja uma boa oportunidade para uma conversa com o cliente. Talvez você ache melhor não cobrar pelo serviço. Isso varia muito de profissional para profissional, mas aproveite para mostrar o seu comprometimento. A sinceridade costuma ser muito bem recompensada e são grandes as chances de que o cliente compreenda que você ainda está evoluindo no seu ofício.

 

O que posso aprender com isso?

E falando em evolução, chegamos na melhor parte da falha: o aprendizado. Afinal de contas, nenhum professor é tão bom quanto o erro. O gostinho azedo do erro nos faz lembrar onde escorregamos e serve de alerta para não bobearmos daquela forma novamente.

Após analisar a sua parcela de responsabilidade na falha e entender o que gerou o problema, pense em formas de aprimorar todo o seu processo de trabalho. O que você pode fazer para evitar maus resultados? Quais indícios você percebeu que ocorrem quando algo não está indo bem?

Com o tempo e experiência, você irá desenvolver uma sistemática de trabalho cada vez mais à prova de falhas. Nessa hora você alcançará outro nível na sua carreira, mas, para chegar lá, você terá que errar muitas e muitas vezes. E tudo bem… isso acontece com todos nós.

 

As falhas podem ser uma grande fonte de estresse e ansiedade, mas a melhor maneira de lidar com elas é tentando enxergá-las por outra ótica: como acontecimentos que cedo ou tarde ocorrerão, mas que trarão consigo uma oportunidade de melhoria.

E se você sentir que não está bem e que precisa conversar, saiba que não está sozinho. Visite o site oficial do Setembro Amarelo ou entre em contato. Falar é sempre a melhor solução.

A CROWD apoia essa causa.

contact us