A nova geração de empresas que também são plataformas!

fevereiro 28, 2019 in Blog, Empreendedorismo, marketing

Dentre todos os meios em que a tecnologia se manifesta e facilita o nosso dia a dia, o formato de plataformas é aquele que tem se tornado mais popular nos ambientes virtuais.

Com a finalidade de agregar funções e padrões que melhorem a realização de determinadas tarefas, esse tipo de solução já pode ser encontrado em qualquer segmento do mercado, seja ele industrial, empresarial, de entretenimento, alimentício, entre muitos outros.

A seguir, vou abordar não apenas como as plataformas já estão presentes no dia a dia do mercado, mas também como a sua concepção já pode abranger todas as frentes de atuação das próprias empresas!

O que são plataformas digitais e qual a sua relevância?

Em termos práticos, as plataformas digitais funcionam como facilitadoras e até promotoras de relações entre empresas e clientes.

Sua função básica é proporcionar, através de uma utilização fácil, rápida e intuitiva, a aquisição de serviços específicos, sempre com toda a segurança e confidencialidade necessárias no ambiente online.

Ao digitalizar os processos, as plataformas são, acima de tudo, um meio de facilitar funções e solucionar problemas cotidianos que, antes do advento das novas tecnologias, exigiriam esforços imensos e extremamente caros para que tivessem esse grau de otimização.  

Cada vez mais, seu uso pode caracterizar uma parte fundamental de certos mercados, o que faz com que as empresas responsáveis por elas se tornem gradativamente mais avançadas e abundantes.

Plataformas para a contratação de prestadores de serviços, por exemplo, podem ser indispensáveis para negócios que dependam da atuação de freelancers especialistas em suas áreas.

Nesse caso, a empresa que gere a plataforma, como é o caso da própria Crowd, vê nessa tecnologia a sua função primária enquanto organização, pois só assim poderá oferecer um serviço confiável às demais empresas!

Enquanto outros empreendedores utilizam o modelo de negócio para atender às suas demandas, os gestores da plataforma trabalham com a sua própria manutenção, através de atividades que envolvam marketing, programação, segurança, entre outras frentes importantes no negócio.

Se, cada vez mais, as atividades mercadológicas são feitas em plataformas, é natural que suas estruturas se tornem mais robustas e novos investimentos sejam feitos em sua implementação, manutenção e evolução!

Quais as principais plataformas do mercado contemporâneo?

Para tornar mais claro o raciocínio sobre a relevância das empresas que se tornaram plataformas digitais, é possível mencionar uma série de exemplos que já são amplamente reconhecidos pelo mercado.

A Yellow, por exemplo, é basicamente uma empresa que atua no compartilhamento de bicicletas e patinetes, mas seu modelo de negócio é todo baseado em um aplicativo que libera os veículos e permite sua utilização sem estação fixa, agregando muito mais agilidade e mobilidade à operação.

A Uber tem um modelo bem parecido, mas ao invés de fornecer os meios de locomoção, sua atuação se dá na curadoria de motoristas autônomos, além do próprio aplicativo que os conecta aos passageiros. Em poucas palavras, a função da empresa é alimentar uma rede, e não necessariamente promover o serviço que será oferecido ao cliente final.

Com a possibilidade de criar redes de profissionais, também surgiu a Gympass, em que diversas academias e centros fitness se cadastram para receber alunos de maneira esparsa que, por sua vez, precisarão pagar apenas uma mensalidade para realizar as atividades que desejarem em diferentes lugares, de acordo com as limitações do seu plano.

Entre as plataformas, também seria impossível não citar a Netflix, que literalmente aposentou o conceito de locadoras e, através de uma simples plataforma online, tornou-se referência mundial em entretenimento.

Man watching a film streaming online with popcorn, 3D glasses and clapboard, cinema and entertainment concept, flat lay

O sucesso do streaming foi tamanho, que inclusive grandes e tradicionais empresas já fazem o caminho inverso e estão se tornando plataformas para atender às necessidades do mercado, como é o caso da gigante Amazon, com a sua Amazon Prime Video, e a própria Disney, que nesse ano ainda lançará o Disney+.

Muito além da mobilidade e do entretenimento, plataformas como a Udemy estão revolucionando a educação,  aplicativos como o Spotify facilitaram o seu jeito de ouvir música,  sites como o Ifood mudaram a forma como você pede comida e tecnologias como o Tinder alteraram até mesmo a maneira como você se relaciona!

Dada a velocidade com que novos negócios surgem e com que essas tecnologias evoluem, seria impossível criar uma lista definitiva com todas as plataformas que hoje podem ser consideradas referência no mercado, mas os exemplos citados são uma excelente base para termos noção do quão diverso e promissor pode ser esse universo.

E você, gostou de saber mais sobre como as plataformas estão tomando conta do mercado? Ficou com alguma dúvida ou tem algum complemento sobre o assunto? Então não se esqueça de deixar o seu comentário e contribuir com a nossa discussão!

Como o uso de influenciadores pode beneficiar a imagem da minha empresa?

fevereiro 21, 2019 in Blog, Empreendedorismo, Freelancer, marketing

 

A ideia de utilizar pessoas com influência entre o grande público para promover determinados produtos ou serviços não é nova!

Seja em anúncios televisivos, impressos, na rádio ou em diversas outras mídias tradicionais, passamos toda a vida acostumados e nos deparar com atores, músicos, apresentadores, entre outras personalidades agregando o valor de sua imagem à determinada marca.

Com o advento da internet e a rápida popularização do conteúdo online, essa realidade se tornou ainda mais presente, porém, com algumas diferenças extremamente marcantes.

A seguir, vou falar mais sobre essas peculiaridades e quais são as melhores formas de utilizar um digital influencer na promoção da sua empresa. Confira!  

Qual o perfil dos influenciadores atuais?

Por ser um conceito relativamente antigo e familiar a todos, muitos empreendedores acreditam que o simples uso de pessoas influentes é o suficiente para garantir resultados em uma divulgação, mas a lógica não é assim tão simples.

Um ator famoso de uma novela, por exemplo, poderia até ser uma boa referência de marketing para um grande número de empresas anos atrás, pois a televisão ainda era uma das únicas mídias disponíveis.

Essa realidade fazia com que existisse um número muito menor de influenciadores realmente efetivos, mas seu alcance, porém, era extremamente mais amplo entre as pessoas e a mensagem compartilhada soava muito mais robusta.

Hoje em dia, com o poder de informação dos consumidores, a palavra de alguém influente, por si só, não basta para induzir um comportamento de compra.

Se antes, para que um item fosse especial, bastasse que ele fosse utilizado por indivíduos especiais, hoje é preciso demonstrar com clareza o seu alinhamento com as necessidades de determinado segmento!

Por mais que existam infinitos youtubers, instagramers, blogueiros, entre outros influenciadores conectados que possam ser contratados para divulgar uma marca, antes é preciso ter em mente que ele se comunica com um público extremamente específico.

Nas mídias tradicionais e de grande alcance, a lógica ainda é a mesma, pois, por mais que o apresentador do programa de domingo à tarde ainda possua uma influência de fala gigantesca, ela ainda será limitada pelo nicho de entretenimento em que ele atua!

Em poucas palavras: se antigamente era caro e difícil contratar um influenciador, atualmente eles são abundantes e extremamente difusos entre diferentes nichos.

No primeiro caso, o impacto da mensagem era mais abrangente e persuasivo, enquanto o segundo exige uma análise precisa de segmentação e um discurso mais persuasivo, demonstrando claramente quais são as vantagens de determinada marca e porque o influencer em questão a utiliza.

Como obter os melhores resultados com um influenciador?

Agora que você já sabe quais são as peculiaridades em contratar um influenciador nos dias atuais, vou abordar alguns pontos básicos que você precisa analisar antes de iniciar a sua campanha!

Para escolher o influenciador certo para a sua campanha, primeiro faça uma pesquisa sobre a sua audiência, seu comportamento e qual conteúdo é consumido e compartilhado entre ela.

Uma boa dica nessa fase de avaliação é realizar uma pesquisa junto à sua base, perguntando quanto tempo ela passa na internet por dia, quais redes utiliza, que grupos ou canais acompanha, quais sites visita regularmente, entre outras questões relacionadas.

No caso dos influenciadores, aborde quais são os assuntos que eles mais falam, o nível de engajamento com os seus seguidores, a penetração da sua marca no nicho em que eles atuam e, claro, se o valor praticado realmente condiz com os resultados que você espera obter após a análise!

Com todas essas questões em mente e o influencer definido para a sua campanha, não se esqueça de alinhar o formato da divulgação aos resultados esperados para o marketing.

Se o objetivo for aumentar a notoriedade e o branding, por exemplo, o melhor é negociar um review ou até mesmo um presente, para que o influenciador avalie a sua experiência com o produto.

Já se o caso for levar mais pessoas para o seu site ou aumentar o volume de interações nas redes sociais, uma ação promocional pode ser uma boa pedida, seja na promoção de concursos ou até no compartilhamento de novidades. Em casos de necessidade de lançar um produto ou aumentar as vendas, procure trabalhar com tags ou até realizar promoções especiais.

Não importa qual seja a lógica ou a situação: o importante, como mencionei, é adequar a sua mensagem à mesma utilizada pelo influenciador e promover uma experiência que realmente demonstre o valor agregado na sua marca!

Se você tem um supermercado, faça com que o influencer o visite, registre suas compras, ensine uma receita. Se você tem uma marca de roupas, pela para que ele use, crie reviews, fale de sua qualidade. Se você tem um plano de assinaturas, ofereça para ele e peça para que ele compartilhe suas experiências ao longo do tempo. O importante é sempre agregar mais valor ao que você oferece.

Gostou de mais essa leva de dicas? Você trabalha com algum influenciador para divulgar a sua marca? Ficou com alguma dúvida sobre o assunto? Então deixe o seu comentário.

Pitch de investimento – dez dicas valiosas para criar o seu!

fevereiro 13, 2019 in Blog, Empreendedorismo, marketing

Statistics Strategy Analysis Diagram Information Concept

Apresentar a ideia de uma Startup para possíveis investidores raramente é uma tarefa fácil, ainda mais quando isso precisa ser feito em um momento extremamente breve!

Pitch é um conceito que define uma espécie de apresentação-relâmpago, onde as boas ideias e seus defensores precisam provar o seu valor durante um espaço limitado, porém extremamente valioso, de tempo.

Todo investidor deve manter em mente 10 pontos chaves. Foram nessas diretrizes que me baseei para levantar duas rodadas de investimentos para a Crowd.

A seguir, descubra como estruturar o seu Pitch com base nessas orientações e impressione os empreendedores do seu ramo na hora de defender o valor do seu negócio!

Insira o logo da Startup e o seu slogan

Percebeu que esse artigo possui onze itens ao invés dos dez prometidos? É que consideramos essa primeira dica um extra importante para você elaborar a sua apresentação!

Até pode soar um pouco básico, mas muitos se esquecem que, tão valiosa quanto a sua proposta é também a forma como você a apresenta.

Sendo assim, não economize na hora de encontrar um bom layout de capa, com destaque para o logo da sua Startup, slogan e informações básicas de contato, como endereço, telefones e e-mails.

Contextualize a situação, apresente a dor em questão e sua respectiva oportunidade

Após as devidas apresentações, o primeiro momento serve para prender a atenção dos ouvintes, já despertando seu interesse para os possíveis ganhos que eles podem obter com a sua proposta.

Essa é a hora de contextualizar as principais características do seu segmento, as dores enfrentadas por ele, sua capacidade de amenizá-las, bem como as oportunidades de novos negócios que podem ser promovidas durante esse processo.

Defina o TAM e o Target

Para proporcionar uma visão real da fatia de mercado que você pretende ocupar, apresente logo em seguida o TAM, ou Total Addressable Market, que compreende o número de produtos ou serviços vendidos por todos os players de determinada área, assim como o ticket médio de cada.

No mesmo sentido, descreva as características do Target, alinhando seus principais pontos ao diagnóstico obtido sobre o segmento e à sua proposta de valor.

Esse é um dos itens mais importantes do Pitch, pois é nele que você define, de fato, os meios em que você vai atuar. De nada basta ser um tubarão e nadar em uma lagoa!

Apresente a sua proposta de valor

A partir de toda a contextualização criada sobre os consumidores que você pretende atingir e as principais características do seu ramo de atuação, é hora de demonstrar o que será, de fato, entregue por sua Startup.

Nesse ponto, não se esqueça de seguir os pressupostos básicos de uma proposta de valor, apresentando soluções que sejam desejáveis, exclusivas, originais e de excelência. Uma boa dica é organizar essas ideias por meio de um modelo em Canva!

É comum muitos empreendedores apostarem diretamente na tecnologia sem determinar a sua real eficiência frente à realidade do negócio, por isso tenha em mente que essa fase deve orientar um propósito para a solução de um problema existente.

Insira a solução prática, seja ela produto ou serviço

Ao provar que você realmente será capaz de criar uma demanda própria no mercado, não se esqueça de entrar nos detalhes específicos sobre o seu produto ou serviço.

Aqui é a etapa onde você tentará impressionar ainda mais aos investidores ao detalhar as tecnologias que você utiliza, os padrões de fabricação ou atendimento que adota, diferenciais básicos, entre outros fatores importantes.

Lembre-se que, ainda mais que nos outros casos, o apelo visual é muito importante nesse momento, por isso aposte em vídeos com demonstrações, imagens com esquemas técnicos, modelos de protótipos, ou a fase 1 do seu produto.

Esclareça o modelo de negócio

Para que seja possível colocar todas as suas ideias em prática, um bom modelo de negócios também precisa ser apresentado, demonstrando com clareza os seus meios e abordagens para gerar lucros.

Basicamente, você deve mostrar aos investidores quais são as pessoas que você pretende conquistar com a sua marca e de quais maneiras você fará com que elas gastem o seu dinheiro com você.

Nessa fase, é comum que se apresentem business com receitas recorrentes, pois acredita-se que agrada mais aos investidores. No entanto, o conselho aqui é de antes avaliar minuciosamente se esse modelo realmente faz sentido para a proposta que você elaborou!

Trace o plano de marketing e comunicação

Você se lembra da frase: “quem não é visto não é lembrado”? Ninguém leva ela tão a sério quanto as pessoas que pretendem botar o seu dinheiro em uma nova ideia!

Levando em consideração técnicas tradicionais de comunicação e os conceitos mais modernos de marketing digital e captação de leads, demonstre brevemente como você conquistará novos clientes de maneira efetiva e viável.

Esse é o momento ideal para apresentar o seu CAC – ou custo de aquisição de cliente- e LTV – ou life time value -, que precisam ser estabelecidos já em seu plano de negócios ou, em caso negativo, serem projetados especificamente para a sua apresentação.

Promova uma análise competitiva por meio de um quadro comparativo relacionado à concorrência

Você já possui todas as informações necessárias sobre o seu segmento e as outras empresas que fazem parte dele, mas é preciso ir além e promover uma comparação a fim de determinar o cenário que você pretende enfrentar com o seu negócio.

Mais que levantar informações sobre a concorrência, procure demonstrar como ela influenciará nas suas vendas e decisões. Nesse momento, é bom prezar pela riqueza de detalhes durante a sua fala.

A grande vantagem do benchmark é mostrar que determinado produto tem aderência, o que possibilita determinar os meios para que ele se apresente como único e diferenciado no mercado!

Defina o time que vai cuidar do projeto

Completando a visão exposta sobre como a sua Startup será operacionalizada, deixe claro como será a organização interna e quais pessoas serão responsáveis por cada função durante o seu projeto.

Aqui é necessário expor todo o fluxo de atuação e é importante que o time seja composto por membros com habilidades complementares. Normalmente, a equipe é composta por um Visionário/Empreendedor, CTO, equipe Comercial/ Marketing e de Operação.

Levante os números atuais e estabeleça sua estrutura de custos

Antes de encerrar a sua apresentação, deixe claro como estão as condições do seu produto ou serviço atualmente, com projeções sobre a sua evolução ou manutenção no futuro próximo.

Mais importante que demonstrar a sua capacidade atual, é esclarecer como o dinheiro que você pretende levantar será utilizado, sua importância para o desenvolvimento do negócio e as reais possibilidades de lucro com o investimento.

O ponto mais importante é a projeção financeira, de quanto você pretende chegar no próximo ano ou daqui a 3 anos, por exemplo, conforme detalharemos no próximo item.

Realize projeções financeiras e defina métricas-chaves

Por fim, com base em tudo o que foi apresentado, demonstre as projeções financeiras da sua Startup, para que os investidores vejam com clareza quais são as possibilidades de ganhos ao optar pela sua ideia.

Essa é a hora de mostrar as regras do jogo, ou seja, quanto de investimento por quanto de %!

Na primeira rodada de investimento, é importante não vender mais de 20%. Isso porque, caso a startup vá bem, mais rodadas serão necessárias e é importante os empreendedores terem um % que os mantenham motivado durante toda a jornada.

Trabalhe com a média de três anos para que a evolução prevista se concretize, estabelecendo não apenas um valor de mercado para o crescimento do seu negócio, mas também métricas-chaves que permitam uma visão completa de todo esse processo de evolução.

Gostou de mais essa leva de dicas? Ficou com alguma dúvida sobre como aplicar esses conhecimentos no Pitch da sua Startup? Então deixe o seu comentário.

contact us