Nós estamos vivendo a era do imediatismo.

Por mais que as facilidades e o dinamismo da vida moderna possam nos agregar uma série de benefícios cotidianos que eram inimagináveis até alguns anos atrás, também existem outros pontos importantes que não podem ser ignorados.

Um desses pontos é a ansiedade, considerada por muitos especialistas como o mal desse século! Será?

Segundo um estudo da Organização Mundial da Saúde, realizado em 2018, o Brasil é líder entre os países que mais manifestam o problema, que já compromete a saúde de quase 10% de toda a população.

Serviços como o Rappi, Netflix, Spotify, Whatsapp, Uber entre muitos outros, de fato, conseguem entregar aquilo o que queremos no momento que mais desejamos. Esses serviços são utilizados com alta frequência e isso deixa o usuário mal acostumado. O que isso significa? O serviço que for mais rápido  será o escolhido.

A seguir, vou falar um pouco mais sobre como a ansiedade afeta tanto os consumidores quanto os empreendedores. Além dos meios que podem ser utilizados para se adaptar a essa realidade e ainda gerar oportunidades!

Quais as características do imediatismo moderno?

Comece esse raciocínio observando o número de emails da sua caixa de entrada. Ele deve estar diminuindo. Em contrapartida, a quantidade de mensagens no seu WhatsApp está aumentando. Isso acontece graças a necessidade das pessoas de fazerem duas coisas ao mesmo tempo. Quando alguém está ocupado com alguma atividade, é normal recorrer ao áudio do WhatsApp, por exemplo, para fazer duas coisas simultaneamente e otimizar seu tempo.

Se antes você comprava em um site de supermercado e tinha que esperar dias até que sua compra fosse entregue, hoje você pode pedir para um Rappi buscar os produtos selecionados e, dentro de horas, a mercadoria está em sua casa.

A animação de chegar em casa e ver que o filme que você tanto quer assistir está prestes a ir ao ar, abriu espaço para os serviços de streaming que permitem que você veja filmes e séries na hora que quiser. Sem contar as operadoras de televisão, que hoje entregam serviços de reprise de filmes já em exibição nos canais, catálogo para compra e agendamento de gravação do seu programa preferido.

As empresas do século XXI vêm alterando radicalmente o comportamento dos consumidores e isso afeta todas empresas criadas anteriormente de modo que elas são forçadas a se adequarem ao novo comportamento, a fim de se manterem vivas.

Ao mesmo tempo, essa ansiedade também afeta quem empreende pois, como você já deve ter ouvido falar, empreender exige consistência e longo prazo. Eu vejo muitas pessoas abrindo mão da vida corporativa para empreender, mas sem ter paciência o suficiente para esperar o tempo necessário até que as coisas aconteçam. Isso se dá por conta do imediatismo: se em um ano a empresa não decolar e apresentar ótimos resultados, o empreendedor já se convence de que a ideia não era tão boa assim.

Não há dúvidas de que vivemos em tempos de urgência e essas mudanças podem afetar a ansiedade. Caso você pense em empreender ou já tenha seu negócio, é importante entender esse novo comportamento do consumidor para entregar um serviço ou produto relevante a esse novo cenário.

Tenha disciplina, paciência e consistência a longo prazo para gerir a sua empresa

É fato que, por conta da comodidade oferecida, serviços cada vez mais revolucionários vão surgir e, em pouco tempo, a realidade dos produtos e serviços como os conhecemos será revolucionada novamente.

Enquanto consumidor, o mercado se molda cada vez mais dentro do aspecto imediatista e não podemos julgar como algo ruim. Afinal, otimização de tempo é um objetivo que todos almejam. Quando antes ouvíamos “meu dia precisa de mais 24 horas para fazer tudo”, hoje podemos dizer que precisamos apenas de mais agilidade nos serviços.

Os empreendedores, por sua vez, devem compreender e se adequar ao mercado. O futuro que antes acreditávamos estar longe, na verdade chega cada vez mais rápido. Investir em tecnologia, inovação e no que os consumidores querem é o segredo para você adequar, moldar ou criar uma empresa próspera.

E você, gostou de mais esse texto? Tem alguma observação para contribuir com a nossa discussão? Então deixe o seu comentário e não perca o conteúdo da próxima semana.